Como é bom a facilidade de encontrar pessoas pela internet!

Pessoas que vivem distantes, e que se estivéssemos em outros tempos talvez nunca poderíamos manter contato cotidianamente.

Como é bom reencontros que o mundo virtual possibilita, como é bom trocar fotos, mensagens, recados, áudios, vídeos. Percorrer universos com alguns cliques, compartilhar interesses, acompanhar vidas através de uma tela.

Leia mais: Os relacionamentos nas redes sociais

Skype, whatsapp, facebook… conectam mundos, preservam amizades, nutrem conversas e laços que poderiam se desfazer naturalmente numa realidade off-line.

São ferramentas demais de boas! E já não vivemos sem elas.

Mas quando o assunto é amor, relacionamento, me desculpe, mas eu ainda acho que 90% tem que ser pele.

Leia mais: O amor vem para os dispostos (não para os disponíveis)

O vídeo, o áudio, o teclado nos interconectam, mas só por um lado. Para amar eu tenho que sentir, perceber a comunicação que acontece no silêncio, nos gestos.

Nada substitui os olhos nos olhos, o jeito de mexer as mãos, o cheiro que vaporiza naturalmente e nos liga antes das palavras.

Há uma energia dos corpos que diz mais do que todos os contatos que uma tela oferece. Por isso eu quero amar uma pessoa tridimensional, 360 graus, que ocupa mais espaço do que o retângulo do monitor.

Quero amar uma pessoa cheia de ângulos e defeitos, cheia de humores e fluidos, cheia de gestos e manias.

Leia mais: Eu Nunca Quis Um Amor Perfeito

Quero o desafio do imperfeito, o cotidiano que mata as ilusões.

Quero uma pessoa de carne osso, sonhos, frustrações, quedas e voos.

Prefiro uma cama cheia e a caixa de e-mails vazia. O telefone mudo e as mãos preenchidas com outro ser humano. Prefiro a casa bagunçada e as mensagens caladas. Prefiro uma voz que fala perto do ouvido a 50 corpos bonitos no tinder.

Quero um relacionamento presencial e sem distância, ao vivo, a cores, a texturas e odores, off-line, orgânico. Quero que os aplicativos sejam as trocas, as risadas e os choros.

Leia mais: Seu beijo na minha testa

Que a quantidade de estímulos seja menor, mas mais profunda. Quero tocar com meus dedos as pintas do corpo e não os pontos nas telas.

Quero um relacionamento touch skin.

(Autora: Clara Baccarin)
(Fonte: clarabaccarin.com)
*Texto publicado com a autorização da autora

Compartilhar
Clara Baccarin
Clara Baccarin é paulista dos interiores, nascida nos anos 80. É escritora, poeta e agitadora cultural. Faz parte do grupo editorial Laranja Original. Publicou, pela editora Chiado, o romance poético Castelos Tropicais (2015) e a coletânea de poemas, pela editora Sempiterno (2016), Instruções para Lavar a Alma. Em 2017 lança, em parceria com músicos e compositores, o álbum Lavar a Alma, que reúne 13 de seus poemas musicados. É colunista do site Fãs da Psicanálise.


1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA