Nossas emoções são incrivelmente valiosas. Elas são mensageiros inteligentes porque nos fornecem todos os tipos de informações vitais.

Elas nos dizem quando precisamos estabelecer limites mais fortes. Elas nos dizem quando precisamos fazer uma mudança em nossas vidas. Elas nos dizem o que queremos. E essas percepções são fundamentais para tomar ações que nos apoiam, que promovem nosso bem-estar.

Às vezes, no entanto, agir de acordo com nossas emoções não é encorajador e nem nos ajuda. Às vezes, nossas emoções nos conduzem por caminhos doentios e até destrutivos.

É quando podemos usar uma habilidade crítica da terapia comportamental dialética chamada “ação oposta”, que é fazer o oposto do que uma emoção está nos dizendo para fazer.

Então, se você tem o desejo de restringir sua comida, você come uma refeição nutritiva. Se você tem o desejo de manter seus esforços em segredo (porque sente vergonha), você fala com um terapeuta.

Se você tem o desejo de permanecer em um relacionamento tóxico, você termina em vez disso. Se você tiver o desejo de se pesar regularmente, joga a balança no lixo. Se você tem o desejo de comprar outro livro de dieta, você compra um livro sobre alimentação intuitiva, um livro que se foca em honrar seu corpo e ouvir suas próprias sugestões internas, desejos e necessidades.

Se você tem vontade de beber um copo (ou cinco) de vinho, saboreia um pouco de suco e respira profundamente, lembrando-se de que não está perdendo, porque agora está acordado, agora está presente e participa de sua própria vida. Agora você está enfrentando as coisas que você precisa enfrentar para que você possa cuidar de si mesmo.

Se você tem vontade de acordar cedo e se exercitar pelo sexto dia consecutivo, você dorme e se dá permissão e espaço para descansar.

Em outras palavras, da próxima vez que você estiver experimentando uma emoção, sente-se com ela. Desacelere. Pare. Feche seus olhos. Respire fundo. E reflita se agir com base nessa emoção, nesse impulso, criará um resultado útil ou não.

Para ajudá-lo a tomar essa decisão, você pode considerar estas questões:

Leia Mais: Técnica para lidar com nossas emoções negativas

Isso contribui para o meu bem-estar?
Isso me nutre mentalmente, emocionalmente, fisicamente ou espiritualmente?
Isso é algo que eu aconselho meu amigo a fazer também?
Isso causará mais dor a longo prazo (por exemplo, no caso de evitar algo porque é provocador de ansiedade)?
Isso é prejudicial para mim ou autodestrutivo?
Isso me ajudaria a procurar ajuda?
Isso está alinhado com meus valores?
Isso é prejudicial para mim?
Isso está me fortalecendo?
Isso está me ajudando a me conectar?

Se você quiser, pode até registrar suas respostas. E quando um impulso similar aparecer, você poderá reler o que escreveu para lembrar-se da ação saudável e útil a ser tomada.

Fazer o oposto pode ser difícil. Mas também pode ser incrivelmente nutritivo. O melhor é que decidimos qual caminho escolher.

Nós não estamos acorrentados às nossas emoções ou desejos. A qualquer momento, podemos pausar, redirecionar e realizar uma ação diferente. Uma ação que verdadeiramente nos apoiará.

(Link original: psychcentral)
*Traduzido e adaptado por Marcela Jahjah, da equipe Fãs da Psicanálise

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here