Pode parecer incrível, mas acontece com muita gente: ter medo de se iluminar. Ou no mínimo acha que não dá para ele ou ela, porque tem que lutar pelas coisas da vida ou, como se diz, “matar um leão por dia”. Aqui eu vou abordar o engano atemporal por trás do medo de se iluminar ou da crença que a vida espiritual entra em conflito com a vida prática.

Tem gente que pergunta: “se eu me iluminar, ainda vou amar o marido?”, “vou ainda querer sair de casa para ir na padaria?”. (Sério – estas são perguntas reais recebidas). Quanto ao marido, não posso garantir (rsrs), mas que a vida continuará, isso eu posso.

O engano é antigo e parece que sempre existiu e sempre vai existir. Até mesmo Arjuna, que ouve de Krishna a Bhagavad-gita, manifesta esta preocupação. Por trás deste medo está o conceito errôneo que a vida espiritual é a negação da vida normal. As pessoas pensam que a vida espiritual vai negar a vida prática ou vai tirar da pessoa a capacidade ou interesse em viver bem, em lidar com os desafios do dia a dia.

O erro está em achar que ser espiritual é deixar de ser tudo mais que hoje consideramos “normal”. Ser espiritual é se vestir de forma estranha, é morar isolado, é largar o trabalho… é ser esquisito! Este engano leva as pessoas a pensarem que ser espiritual deve ser o mesmo que não ser nada que são hoje. Isso é realmente assustador.

[td_block_ad_box spot_id=”custom_ad_3

Devemos partir da compreensão que a vida espiritual é a perfeição da vida como ela é. Ser espiritualizar é aperfeiçoar o que está fazendo. Se iluminar é fazer tudo com inteligência e amor. O caminho que ensino, enfatizado por Krishna, é as vezes chamado do caminho da “vida iluminada”. A vida continua, mas agora iluminada. Isso significa uma vida cada vez mais feliz, centrada, conectada e amorosa. Certamente, não podemos ter medo disso, né?

A verdadeira prática espiritual acontece no campo da vida corriqueira. Este é o ponto chave, que até mesmo Arjuna custa a entender. Por isso que trazemos este foco ao campo do “dharma”, que significa sua essência, seus deveres, que nascem de quem você é agora, do corpo mesmo, não só da alma. Como costumo dizer, o dharma é a ponte entre a matéria e o espírito. A vida espiritual passa pela execução de seu dharma, que diz respeito a todos seus afazeres corriqueiros, de cuidar do marido a ir para a padaria (bem que eu recomendo que faça seu próprio pão em casa, que tem uma energia melhor!).

[td_block_ad_box spot_id=”custom_ad_3

É no viver da vida que podemos praticar nossa espiritualidade, exercer nosso amor e experimentar nossa conexão com Deus. No trânsito, no trabalho, na labuta do dia a dia… aí sim que você será testado. No casamento, na tarefa hercúlea de cuidar dos filhos, no lidar com família… aí sim saberá se está mesmo avançando.

Então, não tenha medo de se iluminar, de jeito nenhum. Tenha medo de não se iluminar! Tenha medo de desperdiçar a vida humana sem ter trabalhado sua conexão com o divino, sem ter acionado seu potencial divino. Tenha medo de viver em ansiedade, frustração e depressão inutilmente, quando tem um processo tão eficaz para melhorar sua vida, com tantas ferramentas. Vida espiritual é viver sua vida cada vez melhor, com cada vez mais capacidade para lidar com os desafios da vida, mais paz e mais felicidade. Quem não quer isso?

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Giridhari Das
mestre espiritual brasileiro e autor de livros de auto-aprimoramento e autorrealização em yoga. Seus ensinamentos podem ser vistos em palestras, livros e vídeos gratuitos na internet e ao vivo no Yoga Resort e Fazenda Retiro que fundou na Chapada dos Veadeiros, o Paraíso dos Pândavas. O foco de seus conhecimentos é o Caminho 3T, onde ele transmite centenas de dicas, fatos e técnicas testadas pelo tempo e confirmadas pela ciência para o autoaperfeiçoamento.Seus ensinamentos podem ser encontrados em seu site, através de seus vídeos, frases no Instagram e livros.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here