Freud afirma em “O problema econômico do masoquismo” que o ser humano muitas vezes faz a transformação da dor e do desprazer em alvos. Algo aparentemente inverso a lógica de ter a satisfação no prazer. A contemporaneidade nos mostra diversas patologias as quais remetem a Freud quando diz: “o masoquismo nos aparece como um grande perigo”.

O prazer na dor deixa o ser humano completamente desprotegido, afinal nem sempre sentir dor é algo ruim. Lembremos dos leprosos os quais morriam por não ter a dor como sinalização do perigo, pior ainda então seria gozar da dor. O masoquista parece buscar o castigo, algo que remete a uma criança a qual se comportou mal.

Sobre a automutilação a maioria dos praticantes são mulheres e adolescentes. As formas mais comuns são uso de lâminas, unhas, queimar o corpo, entre outras formas de ataque ao próprio corpo. Há uma relação entre essas agressões e experiências emocionais de frustração, como no ambiente familiar ou escolar, além de questões como isolamento social, términos de relacionamentos e uso de substâncias.

Vivenciam sentimento de culpa excessivos, além de muito ódio represado, são bastante cruéis consigo mesmos, exigindo padrões de perfeição e cada vez mais frustrados pela distância entre a realidade e o ideal de eu. De certa forma, há um outro introjetado nesse eu, assim as ações agressivas contra si seriam uma tentativa de destruir o objeto de amor/ódio internalizado.

As cicatrizes e marcas seriam uma tentativa de marcar uma separação do eu e o outro, remetendo a uma certeza de que o sujeito está vivo. Por isso quando a dor psíquica é intensa, é comum a pessoa dizer que nem sentiu a dor mínima da autoagressão.

Esse eu estaria identificado com o outro, sem uma forma própria, fragmentado, sem a possibilidade de determinar os limites… Há uma intensa busca de um contorno próprio, pois por enquanto só há um eu corporal.

Leia Mais: Principais tipos de dor: nociceptiva, neuropática e psicogênica

A automutilação seria uma tentativa de cura ou diferenciação, contudo até que ponto não se deve temer um excesso de machucados que podem levar a morte?

O ódio deve ser colocado em palavras numa psicoterapia, assim como a culpa e o prazer. Importante buscar ajuda psicológica e psiquiátrica, afinal para essas pessoas se automutilar parece sempre uma carta na manga, um meio de escapar da severidade de alguém internalizado e cruel.

Há muita dor, prazer e principalmente ódio. Um pedido de socorro é feito e marcado na pele, assim como esse é o modo de se sentirem vivos.

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Mariana Pavani
Psicóloga, estudante de Psicanálise. Colunista do site Fãs da Psicanálise.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here