Parece haver um tema recorrente na minha vida e, francamente, ele é um grande equívoco.

Desde que eu era pequena, fui condicionada a acreditar que, embora eu fosse importante, às vezes as necessidades dos outros eram mais importantes. Eu não acho que minha família fez isso intencionalmente, mas quando se tratava de quais sentimentos eram mais importantes entre eu e qualquer pessoa mais velha, “respeitar os mais velhos” sempre foi mais importante.

No final do dia, não importava quem fosse, era “respeitoso” deixar os outros mais certos e ter mais voz do que eu. Eu fui ensinado a morder minha língua, não importando a quão abusiva ou intensa ela fosse. Conforme envelheci, esse tema começou a acontecer em meus relacionamentos íntimos, assim como com os outros membros da família.

Isto é o que aprendi: É importante respeitar a todos, especialmente pessoas mais velhas que você, mas, quando se trata de sentimentos, você precisa se preocupar mais com você do que com qualquer pessoa ou com qualquer outra coisa.

É você quem deve se sentar com suas necessidades satisfeitas ou não atendidas.
É você quem tem que trabalhar através do seu próprio tumulto interior no final do dia. É você quem tem que navegar seu trauma e ferir seus sentimentos.
É você quem se sente violado quando deixa as pessoas usarem você.
É você quem se sente culpado quando faz algo que realmente não quer fazer.

Você é o único que tem que enfrentar seus sentimentos, realidade e escolhas. Você não pode incondicionalmente amar os outros quando negar o amor que tem por si mesmo. Você não pode estar presente com ninguém quando se recusa a sentar-se consigo mesmo e com as suas necessidades.

Preocupe-se com os outros, mas se preocupe mais consigo mesmo. Você tem que fazer o que é bom para você. Você tem que fazer o que parece natural e certo para sua própria vida, mesmo que isso atrapalhe os outros. Você tem que criar seus limites em torno do que você precisa e não do que os outros querem.

Quando pudermos adquirir o hábito de nos priorizar ao ponto de que isso seja natural, podemos dar aos outros tudo, com um copo cheio. Quando adquirimos o hábito de reconhecer abnegadamente as necessidades dos outros, mas não de torná-los mais importantes do que as nossas, podemos chegar a um lugar de inteireza. Quando sabemos como nos comportar de uma maneira que nos sintamos completos, podemos realmente nos comprometer a amar os outros.

Preocupe-se com os outros, mas se preocupe mais consigo mesmo. Sempre!

(Autora: Leena Sanders)
(Fonte Original: thoughtcatalog)
*Texto traduzido e adaptado por Carolina Marucci, da equipe Fãs da Psicanálise.

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here