A maioria de nós tende a se focar em começar a amar e deixar este sentimento de amor determinar a duração de um relacionamento. Começar a amar é fácil, quase sem esforço, mas perder este sentimento amoroso também não é difícil de acontecer.

Naturalmente, quando um relacionamento é novo, é divertido e agradável cortejar ou ser cortejado. No começo, estamos constantemente pensando sobre a nova pessoa em nossa vida e querendo passar todo o nosso tempo juntos e compartilhar novas experiências juntos. Queremos mostrar como nos sentimos enviando cartões ou flores ou apenas mandando uma mensagem de texto bonitinha.

Sentimentos, no entanto, podem ser fugazes. Ninguém parece querer falar sobre como esses sentimentos amorosos podem desaparecer, que é preciso trabalho para manter o amor vivo, e que escolher cultivar o amor é uma escolha que todos nós devemos fazer.

Quem nós amamos é tanto uma escolha quanto um sentimento. Cultivar o amor é um compromisso. Depois que o brilho rosado do novo relacionamento acaba, temos que tomar uma decisão: queremos amar essa pessoa e nos comprometer com um relacionamento juntos, ou vamos deixar essa pessoa ir?

Uma vez que tomamos a decisão de que encontramos a pessoa com quem queremos estar e nos comprometemos a cultivar o amor, o trabalho começa. Uma grande parte desse trabalho é fazer muitas outras escolhas.

Fazemos a escolha de ver o que há de bom em nosso parceiro todos os dias, em vez de nos concentrarmos nas coisas negativas que nos incomodam. Nós temos que aceitá-lo e amá-lo como ele é. Se entramos em um relacionamento pensando que podemos mudar alguém, estamos direcionando o relacionamento para o fim. Todos nós temos falhas e peculiaridades e somos estranhos em alguns aspectos. Aceitar essas diferenças é parte do amor.

Podemos optar por ignorar as pequenas coisas irritantes que nosso parceiro pode fazer. Se o nosso parceiro se esquece de tirar o lixo, ou deixa a pasta de dentes destampada, podemos falar sobre isso com ele, mas também podemos aceitar que ele pode ter esquecido, e escolher seguir em frente. Tentar transformar nosso parceiro em nós é um dos maiores erros de relacionamento que podemos cometer.

Leia Mais: O amor nos torna mais espertos, a neurociência confirma

Quando estamos insatisfeitos com a forma como as coisas estão em nosso relacionamento, é fácil enfatizar o que não estamos obtendo do relacionamento. Em vez disso, uma resposta mais saudável é ver o que poderíamos estar fazendo para o nosso parceiro, em vez de nos concentrarmos no que eles não estão fazendo por nós. Devemos sempre tentar apoiar o nosso parceiro, porque não podemos esperar nada dele que não estejamos dispostos a dar.

Outra escolha importante que podemos fazer é escolher lembrar as razões pelas quais nos comprometemos com essa pessoa. Nosso relacionamento nem sempre será agradável e haverá momentos de discussões e discordâncias sérias. Haverá momentos difíceis e até maus momentos que precisaremos administrar juntos. A chave para sobreviver a esses tempos é lembrar-se de ser respeitoso, reconhecer o nosso compromisso e resolver juntos o que estiver acontecendo. Durante esses momentos, realmente ajuda lembrar-nos de por que escolhemos amá-los em primeiro lugar.

O amor tem tudo a ver com escolhas. Escolhemos ver o lado bom, ignorar as pequenas coisas, procurar o que poderíamos fazer pelo nosso parceiro e lembrar por que o amamos. Optar por se esforçar para fazer essas coisas é cultivar o amor e, com esse trabalho, vem a maravilhosa recompensa de permanecer amando.

(Link original: psychcentral)
*Traduzido e adaptado por Marcela Jahjah, da equipe Fãs da Psicanálise

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here