A depressão muda tudo, desde a forma como nos movemos para o nosso sonho e, claro, a maneira como interagimos com aqueles que nos rodeiam. Além das manifestações físicas e mentais, esse estado de consciência também pode ser visto no uso da linguagem, no modo como verbalizamos os sentimentos. Exemplos dessa “linguagem da depressão” podem ser vistos na poesia de Sylvia Plath e nas canções de Kurt Cobain, que cometeu suicídio após uma série de quadros depressivos graves.

Os psicólogos há muito se aprofundam na “linguagem da depressão”. Agora, um estudo feito na Universidade de Reading oferece novas pistas sobre as palavras que podem nos ajudar a detectar que uma pessoa sofre de depressão.

Tradicionalmente, esse tipo de análise linguística tem sido realizada por pesquisadores que leem e tomam notas das palavras que prevalecem nos estados depressivos. Atualmente, os métodos informatizados de análise textual permitem processar essa informação com maior confiabilidade, revelando detalhes que podem passar despercebidos pelos pesquisadores.

O conteúdo da depressão

A linguagem pode ser separada em dois componentes: conteúdo e estilo. O conteúdo está relacionado ao que expressamos, isto é, o significado do discurso. Portanto, não é de surpreender que as pessoas que sofrem de depressão usem uma quantidade excessiva de palavras que transmitem emoções negativas, especificamente adjetivos e advérbios como “solitário”, “triste” ou “infeliz”.

No entanto, o uso que eles fazem dos pronomes é ainda mais interessante. Pessoas deprimidas usam mais pronomes na primeira pessoa do singular, como “eu” e “meu”. Em contraste, eles usam poucos pronomes de segunda e terceira pessoa, como “eles” ou “você”.

Esse padrão no uso de pronomes sugere que pessoas com depressão são excessivamente focadas em si mesmas e muito pouco conectadas com outras. Em outras palavras, essas pessoas experimentam grande solidão e estão imersas em seus pensamentos. De fato, os pesquisadores dizem que os pronomes são realmente mais confiáveis para identificar a depressão do que palavras que expressam emoções negativas.

O estilo da linguagem depressiva

O estilo da linguagem está relacionado à maneira como nos expressamos. Analisando dados de mais de 6.400 pessoas que escreveram em fóruns de saúde mental, psicólogos têm notado que as pessoas com depressão tendem a usar “palavras absolutistas”, que transmitem magnitudes ou probabilidades absolutas, como “sempre”, “nada” ou “completamente”.

A presença deste tipo de palavras na fala cotidiana reflete uma visão em preto e branco do mundo. Na verdade, o uso de palavras absolutistas mostra um perfil para pessoas que tem ideação suicida, o que não é surpreendente, pois já era sabido que o pensamento absolutista ou dicotômico é a base de muitas distorções cognitivas e crenças irracionais, o que  acaba provocando distúrbios afetivos. Isso indica que muitas vezes a pessoa com depressão não encontra alternativas, uma vez que a própria desordem o impede de pensar em termos mais amplos.

Fontes:
Johnstone, T. & Al-Mosaiwi, M. (2018) Em um estado absoluto: Use elevada de Palavras absolutistas é um marcador específico para a ansiedade, depressão e ideação suicida. Ciência Psicológica Clínica.
Rude, S; Gortner, E. M. & Pennebaker, J. (2004) Uso de linguagem em estudantes universitários deprimidos e vulneráveis à depressão. Cognição e Emoção; 18: 1121-1133.
Bucci, W. & Freedman, N. (1981) A linguagem da depressão. Boletim da Clínica Menninger; 45: 334-358.

(Fonte: rinconpsicologia)

*Traduzido e adaptado pela equipe Fãs da Psicanálise.

Imagem: Niklas Hamann

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here