Algumas doenças surgem silenciosamente e, muitas vezes, da mesma maneira que aparecem podem sumir. São conhecidas como doenças psicossomáticas e trazem consigo uma incógnita que aos poucos está sendo desvendada pela comunidade científica.

Existem religiões que mostram que o ser humano tem constituição física movida por um corpo espiritual e que estamos de passagem nesta vida para aprender, ensinar e aprimorar nossos bons sentimentos.

Essa junção entre físico e espiritual é complexa e exige a compreensão e aceitação de uma teoria não apenas evolucionista, mas “reencarnacionista”, ou seja, mediante diversas reencarnações passamos por diferentes experiências que geram conhecimento no decorrer de nossa vida espiritual.

Estamos no caminho do nosso aprimoramento moral, por isso, esse conhecimento adquirido nas diversas reencarnações nos auxiliam neste trajeto.

Algumas pessoas têm mais propensão a serem explosivas, outras rancorosas, outras vingativas, outras podem apresentar insegurança excessiva, algumas são mais narcisistas. Enfim, são comportamentos transferidos para as diferentes reencarnações e sem precisar de muito esforço acabam surgindo à tona. O que significa um acumulado de impressões que a consciência não assimila refletindo no corpo somático a densidade destas energias espirituais (FRANCO, 2000).

A mente gera energias compatíveis em acordo com o tipo de aspiração que a nutri, isto é, uma mente desequilibrada emocionalmente é capaz de produzir toxinas que acabam por gerar distúrbios orgânicos de largo porte (FRANCO, 2000).

Desde o século XVIII a medicina vem lidando com problemáticas físicas que perduram com ou sem algum tipo de lesão. Mas foi no século XX que o termo psicossomático se difundiu, após trabalhos apresentados por Sigmund Freud.

Por meio destes, alguns fatores de ordem psíquica, tais como conflitos, ideias, emoções, passaram a atuar como agentes ou mantenedores de doenças, incluindo lesões e alterações orgânicas (ZORZANELLI, 2011).

A vigilância constante de pensamentos e ações pode auxiliar na harmonia entre psique e o soma. Quando isso não ocorre, acaba por acarretar transtornos que levam à infelicidade, revolta, frustrações, ciúmes, raiva, agressividade, insegurança e culpa.

Leia Mais: 16 doenças mentais que confundimos com virtudes

Essa conduta repetitiva de pensamentos negativos e comportamento desequilibrado influenciam a produção de enzimas e toxinas cerebrais que enfermarão o indivíduo. Por isso a presença de determinadas alergias, disfunções hepáticas, gastrointestinais, arritmia cardíaca, dentre outras.

Qualquer tratamento destas enfermidades deve objetivar a compreensão do indivíduo como ser orgânico, social, emocional e espiritual, a qual busque a alegria de viver, o autoconhecimento, o auto respeito, o amor próprio, a esperança. “Somos o que pensamos. Tudo o que somos vem dos nossos pensamentos. Com nossos pensamentos fazemos o mundo” (Buda).

Algumas terapias alternativas, como a meditação e/ou massagem, por exemplo, são de grande valia para que possamos manter nosso equilíbrio físico, mental, emocional e espiritual.

Estar em paz consigo e com o mundo não é fácil, mas é um exercício diário que se reflete em nossa psique e no nosso soma.

Referência:
CERCHIARI, E. A. N. Psicossomática um estudo histórico e epistemológico. Revista Psicologia: Ciência e Profissão, v.20 n.4, Brasília, 2004.
FRANCO, Divaldo. O despertar do Espírito. (Psicografado pelo espírito de Joanna de Angelis). Salvador, BA: Livr. Espírita Alvorada, 2000.
SEUBERT, F. VERONESE, L. A massagem terapêutica auxiliando na prevenção e tratamento das doenças físicas e psicológicas. In: ENCONTRO PARANAENSE, CONGRESSO BRASILEIRO, CONVENÇÃO BRASIL/LATINO-AMÉRICA, XIII, VIII, II, 2008. Anais. Curitiba: Centro Reichiano, 2008. CD-ROM. [ISBN – 978-85-87691-13-2]. Disponível em: www.centroreichiano.com.br
ZORZANELLI, R. T. Sobre os diagnósticos das doenças sem explicação. Revista Psicologia em Estudo, Maringá, v.16 n.1. p. 25-31, jan./mar. 2011.

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Natalia Garrido
Bióloga e Microempresária. É colunista do site Fãs da Psicanálise.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here