Todos ou quase todos nós nos sentimos ansiosos em algum momento de nossas vidas. Assim, sabemos que esse estado de desconforto, inquietação, hiperatividade e nervosismo é altamente punitivo e aversivo, e geralmente é algo que não queremos vivenciar.

Agora, deixar um estado de ansiedade pode não ser tão fácil quanto parece. Na verdade, é algo complicado, especialmente se o que isso nos dá é uma crise. Imagine agora que quem sofre não é nós, mas outra pessoa que gostamos. O que podemos fazer? Como ajudar uma pessoa com ansiedade? Vamos falar sobre isso ao longo deste artigo.

Ansiedade: o que é isso?
Para pensar em como ajudar uma pessoa com ansiedade, precisamos primeiro conhecer e entender o tipo de situação que está acontecendo. E é por isso que uma breve explicação do que é ansiedade pode ser útil.

Damos o nome de ansiedade a um estado de profundo desconforto subjetivo de origem emocional caracterizado pela presença de um forte afeto negativo, juntamente com um alto nível de atividade ou ativação fisiológica, que por sua vez tem um efeito sobre o comportamento.

Estamos em um estado que é geralmente definida como uma reação apreensiva aparece sem necessidade de uma situação de risco no momento, mas que tende a ser associada à antecipação de uma ameaça futura ou um estouro ou incapacidade de lidar com as demandas ambientais , embora nem sempre estejamos ciente de sua origem.

É importante notar que existe a ansiedade uma interação entre um componente subjetivo ou cognitivo-emocional, que permite perceber emoções e estado de mal-estar, um componente biológico ou fisiológico que o envolvimento emocional gera uma série de sintomas físicos (a palpitações, taquicardia e acelerações taxa respiratória sendo o mais comum, embora possa haver outras como dor, boca seca, sudorese ou agitação) e, finalmente, um componente comportamental, incluindo o conjunto de ações que são realizadas no momento em questão.

A crise de ansiedade
A existência de um certo nível de estresse e ansiedade é comum em nossa sociedade, mas a verdade é que a ansiedade muitas vezes pode surgir de tal forma que pode nos dominar, às vezes até surpreendentemente e sem aviso prévio. Este é o caso do que nos acontece quando temos uma crise de ansiedade.

Nessas crises surgem de repente um grande desconforto e pânico com palpitações e taquicardia, falta de ar e hiperventilação, dor abdominal ou no peito, tontura, sudorese, tremores, sensação de ter um ataque cardíaco, estar morrendo, ficando louco ou perder o controle do corpo.

Também é comum que surja uma sensação de estranheza e irrealidade, conhecida como despersonalização.

Portanto, ao ajudar uma pessoa com ansiedade que está passando por um estágio com crises freqüentes, é importante saber que devemos intervir durante estes, bem como quando eles não estão ocorrendo, para evitá-los.

Ansiedade e seus distúrbios derivados
A ansiedade não é uma emoção ou reação pouco frequente. De fato, a maioria das pessoas sentiu algum grau de ansiedade ao longo de suas vidas, e uma alta porcentagem da população mundial experimentou ou experimentará alguma crise de ansiedade em algum momento.

Isso não é por si só patológico, mas às vezes a persistência da ansiedade, ligada ou não a algum tipo de situação ou estimulação, pode se tornar um transtorno altamente incapacitante. E, de fato, o conjunto de transtornos de ansiedade é o tipo mais comum de distúrbio que existe, junto com a depressão maior.

Existem muitos transtornos de ansiedade, mas provavelmente os mais conhecidos são transtorno de pânico e transtorno de ansiedade generalizada.

No primeiro o sujeito sofre repetidamente vários episódios de ataques de ansiedade, o que cria a aparência de ansiedade antecipatória sobre o possível surgimento de uma nova crise, que normalmente leva você para mudar seu estilo de vida e até mesmo para evitar a exposição às situações habituais nas quais considera que poderia revivê-las.

Em sintomas de transtorno de ansiedade generalizada, tais como inquietação, fadiga, irritabilidade, tensão, problemas de sono e uma incapacidade de relaxar a partir da existência de preocupações sobre muitos aspectos da vida ou até mesmo em uma preocupação não específica e geral contínua.

Além desses, outros transtornos, como o conjunto de fobias, também estão ligados à ansiedade, bem como os transtornos obsessivos.
Em depressão, transtorno bipolar ou estresse agudo ou transtorno de estresse pós-traumático também é comum. De fato, a ansiedade costuma ser comum em múltiplos problemas psiquiátricos e psicológicos.

Como ajudar em caso de crise de ansiedade?
Como se pode imaginar a partir de sua descrição, a crise de ansiedade ou angústia é um fenômeno muito incapacitante e tende a fazer com que o foco de atenção do doente se concentre nos próprios sintomas. Além disso, é fácil confundir os sintomas com os problemas do coração, algo que faz com que você viva com grande medo.

Ajudar uma pessoa nessa situação não é fácil, embora seja possível. Como fazê-lo?

A maneira de ajudar seria tentar reduzir o foco no desconforto ou reduzir alguns dos sintomas fisiológicos mais controláveis, como a respiração. Da mesma forma, deve ser lembrado que as crises de ansiedade geralmente têm uma duração relativamente curta, de alguns minutos de duração, de modo que acabam desaparecendo por si mesmas.

Em seguida, veremos algumas pequenas indicações para levar em conta se encontrarmos alguém no meio de uma crise de ansiedade. Naturalmente, é importante ter em mente que, antes de mais nada, deve ser descartado que se trata de um verdadeiro ataque cardíaco.

1. Não diga para se acalmar
É relativamente frequente que, quando uma pessoa entra em crise de ansiedade, outras não saibam reagir. Nesse sentido, é comum tentar pedir calma.

Esse tipo de indicação é totalmente contraproducente: se a pessoa pudesse se acalmar apenas por querer, faria imediatamente e não estaria passando pela crise.

Você também pode adicionar a carga ou tensão fazendo a pessoa sentir não ser capaz de sair da situação. Provavelmente, a reação não é positiva, pois aumenta o nervosismo e a sensação de opressão e asfixia.

2. Deixe espaço, mas ofereça sua ajuda
A pessoa que sofre de uma crise de ansiedade geralmente se sentirá mais segura se sentir que há alguém por perto que possa ajudá-la.

No entanto, é necessário que ela tenha algum espaço, no sentido de que não é conveniente para um grande número de pessoas se reunir à sua volta, pois fica mais fácil ficar ainda mais nervoso.

3. Ajude a concentrar em um estímulo fixo diferente de seus sentimentos de asfixia ou sofrimento

Quem sofre uma crise de ansiedade está experimentando uma série de sintomas muito intensos nos quais geralmente concentra a atenção.

Uma maneira de ajudá-los seria tentar fazer com que se concentrem em algum tipo de estímulo diferente. Nesse sentido, pode ser útil tentar manter contato visual com você e ajudá-lo a concentrar a atenção em aspectos como a sua própria respiração, a fim de imitá-la.

Você também pode tentar distraí-los de outras maneiras, como falar com eles para que eles se concentrem no que estamos dizendo em vez dos sintomas, embora isso possa não funcionar.

4. Tente ajudá-lo a respirar mais profundamente
Uma das estratégias que pode ser útil para ajudar uma pessoa em plena crise de ansiedade é ajudá-la a controlar sua respiração, dado que em tais crises um dos principais sintomas é a existência de hiperventilação.

Nesse sentido, pode ser útil tentar fazer com que a outra pessoa preste atenção à sua pessoa e tente respirar profundamente, tanto na inspiração quanto na expiração. Se você tiver, você também pode ajudar a usar um saco de papel para que você possa se concentrar em enchê-lo e esvaziá-lo.

5. Não se deixe levar pelo pânico
Viver uma crise de ansiedade não é exatamente agradável e gera muito sofrimento, a tal ponto que a pessoa pode sentir-se morrendo ou perder a cabeça. Nessa circunstância, ter alguém que reaja com pânico e nervosismo e não saiba o que fazer diante do que acontece pode aumentar a ansiedade.

É por isso que é necessário tentar manter a calma e agir de forma decisiva, para que o modo de agir seja um estímulo tranquilizador para quem tem o ataque.

6. Fale claramente e com uma voz calma
Embora a pessoa em plena crise de ansiedade possa reagir com alguma hostilidade, o fato é que o fato de falarem com voz firme e calma e de maneira clara pode ajudar a diminuir o nível de ativação, principalmente se está processando e eu entendo o que nós dizemos a ele

7. Lembre a ela que a ansiedade acaba passando
Este ponto só é aplicável se a pessoa já tiver tido outras crises de ansiedade antes. Trata-se de tentar lembrá-los de que, embora as sensações sejam muito intensas e aversivas, essas crises não são perigosas para suas vidas e, pouco a pouco, seus sintomas desaparecerão.

Claro, devemos sempre avaliar que é verdadeiramente uma crise de ansiedade, uma vez que poderíamos estar diante de outro tipo de problema.

(Autor(a): Oscar Castillero Mimenza)
(Fonte Original: psicologiaymente.com)
*Texto traduzido e adaptado pela equipe Fãs da Psicanálise.

Compartilhar

RECOMENDAMOS



Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here