A traição nem sempre tem uma motivação em especial para ocorrer e não existe uma receita para evitar que o relacionamento acabe por esse motivo. Houve um tempo em que ser infiel estava relacionado a uma mancha de batom na gola da camisa ou um cheiro de perfume diferente, mas agora, na era de aplicativos de namoro e mensagens diretas, as coisas se tornaram um pouco mais complicadas. E é aqui que entra em cena a microtraição, a palavra do momento quando se trata de infidelidade.

A expressão “microtraição” foi usada pela primeira vez em 2004, mas só chamou a atenção do mundo inteiro quando um artigo sobre o assunto se tornou viral em janeiro de 2018. Antes dos smartphones, a microtraição poderia ser aquela de tirar a aliança de casamento quando se saia para uma festa. Mas, na era digital, é mais fácil do que nunca dar sinais a alguém de que você está disponível.

Qualquer pequeno comportamento pode ser microtraição, desde curtir a publicação do Facebook ou do Twitter de alguém até enviar mensagens de texto. A microtraição tem a ver com aquelas pequenas coisas que aparentemente não são pensadas como traição, são ações muito sutis. Embora a microtraição nem sempre signifique que a pessoa esteja traindo seu parceiro, ela é um comportamento que pode levar à infidelidade.

É como preparar o terreno. Muitas vezes encontramos pessoas com as quais temos coisas em comum, e não há nada de errado com isso, mas é necessário ser muito claro com o parceiro (a) para que ele (a) entenda que é apenas amizade. O perigo dessas comunicações, hoje, é que elas podem facilmente evoluir para encontros não virtuais privados.

Mentir sobre o status do próprio relacionamento, esconder a evidência de enviar mensagens de texto para alguém que não seja seu parceiro, listar um amigo com nome falso na agenda de contatos do telefone, envolver-se com um ex-parceiro, compartilhar segredos com uma pessoa que ache atraente e que não seja o seu parceiro, conferir o feed de mídia social de alguém de forma obsessiva, tudo isso são os sinais mais comuns emitidos pelos microtraidores.

Leia Mais: Traição não é falta de amor, é falta de caráter

Fidelidade
A fidelidade é uma condição acordada entre o casal, da pessoa consigo mesma ou uma convicção, e não uma coisa espontânea, algo que as pessoas já nasçam com ela. A realidade é que nossa capacidade de desejar sexualmente uma pessoa independe de estarmos apaixonados por uma pessoa ou não ou de termos uma vida sexual satisfatória com o parceiro (a) escolhido (a). Tudo vai depender do fator lealdade e convicção no que foi combinado consigo mesmo ou a dois. O acordo pode dar certo para evitar brigas.

Se a única razão pela qual a pessoa curtiu a publicação do ex no Instagram é porque ela gosta muito daquele tipo de post, por exemplo, não deveria ser um problema o seu parceiro atual saber. Antes de agir dessa forma ambos deveriam se perguntar se gostariam quando seu parceiro fizesse o mesmo. As microtraições podem ser usadas como indícios do que precisa ser abordado no relacionamento, e o assunto também pode abrir uma discussão sobre o que o casal acredita ser traição e assim também não deixar o outro inseguro sem querer.

Em ambos os casos deve haver o diálogo com o parceiro. A ideia da microtraição é uma oportunidade para que o casal avalie se aquelas ações sendo pequenas ou grandes interfeririam no grau de confiança com o outro.

(Imagem: Jake Davies)

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Sônia Eustáquia
Colunista da Revista Atrevida cerca de 6 anos, tem formação e trabalho em Psicanálise e Terapia Ericsoniana. Pós-graduada em Metodologia do Ensino Superior, Psicologia e Psiquiatria da Infância e Adolescência, Neuropsicologia e Teologia. É colunista do site Fãs da Psicanálise.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here