Quando você olha para uma pessoa que está triste, com os ombros caídos, o olhar cheio de lágrimas e com cara de choro, você logo pensa que esta pessoa está insegura ou que apresenta algum sinal de debilidade, certo?

Pois saiba que as emoções não são iguais e tão pouco encontram o mesmo grau de aceitação em nossa sociedade. A tristeza, por exemplo, é vista como uma emoção negativa, algo que se deve esconder ou que envergonha.

Uma sociedade que sempre espera que estejamos felizes e alegres, dispostas a comer de tudo, viajar e dar sorrisos, é extremamente injusta. Porque não funcionamos assim, muitas vezes sentimos uma tristeza.

Com certeza você já ouviu ou disse o famoso “seja forte”. Até diante do túmulo do pai de uma amiga querida dizemos “seja forte”. Tenha dó, a última coisa que a pessoa precisa naquele momento é ser forte, a necessidade dela é de um bom colo, um ombro amigo e não de conselhos desse tipo.

Dizer que a tristeza só serve para nos fazer sentir pior, para que pensemos que não somos o suficientemente fortes é ser iludida pelo pensamento de que gente forte não chora, não se entristece.

Isso é um equívoco. Quando uma outra pessoa “aceita” essa tristeza, sem tentar fazer com que a gente fuja dela ou nos brindar falsas palavras de carinho, simplesmente nos apoia e se mantém ao nosso lado, se cria uma conexão única.

Na verdade, uma das funções das lágrimas é precisamente a de pedir ajuda, mesmo que seja de maneira indireta, mostrando nossa impotência, para que os demais se acerquem e nos confortem. Não há motivos para se esconder uma tristeza. Só pessoas seguras de si são capazes de reconhecer as suas emoções e expressá-las.

É necessário ter muita coragem para nadar contra a corrente e expressar quem você realmente é ou como se sente nesse momento.

Quando terminamos de chorar, a nossa mente se encontra mais clara e em poucos minutos seremos capazes de analisar a situação a partir de outro prisma. Isto se deve a que as nossas emoções se equilibraram e nossa mente que pensa com a razão fica preparada para resolver os conflitos.

Ás vezes, o choro é mais benéfico que o riso.

Luz para o bem!

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Natthalia Paccola
Desde que começou os estudos em Psicanálise e Psicoterapia, a jornalista, bacharel em Direito e mestre em Ciências Naturais pela Unicamp,  Natthalia Paccola levanta uma premissa sobre a sua vida profissional: nunca aceitaria rótulos ou doutrinas acadêmicas. Mas é claro que sofre influências de vários pensadores.Sua grande fonte de inspiração como autoridade em levar Luz para o Bem através de mídias sociais, no entanto,  tem sido os seus próprios seguidores, cerca de 10 milhões que passam semanalmente pela sua Fanpage, Grupos, YouTube, Site, Instragram ou Twitter.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here