Já se desconfiava desde muito (e nós homens tínhamos certeza) que na desmistificação da supremacia masculina, dos direitos iguais e da dominação feminina em vários campos, inclusive o sexual, havia se deixado os pobres varões com a responsabilidade de sempre “dar conta do recado” e nunca ninguém havia, pelo menos cientificamente, se preocupado como nós, os pobres homens, nos sentíamos após uma relação sexual!

Claro que depois de algumas cervejas com os amigos, parte das intimidades aparecem e sabíamos das dificuldades que enfrentamos antes, durante e depois.

Um primeiro estudo mundial conclui que os homens podem e sofrem de Disforia Pós-Coito (DPC)
(Wikipédia pra facilitar: Disforia é uma mudança repentina e transitória do estado de ânimo, tais como sentimentos de tristeza, pena, angústia. É um mal-estar psíquico acompanhado por sentimentos depressivos, tristeza, melancolia e pessimismo. No termo de enfermagem, disforia é uma sensação subjetiva, vaga e indeterminada de mal-estar. Pode ser causada pela utilização de opioides ou pela utilização de buspirona.) Aí vocês já vão ter que ver o que é!

A DPC portanto resulta em sentimentos de tristeza, choro ou irritabilidade após o sexo. Embora a condição tenha sido reconhecida em mulheres, nenhum estudo havia identificado previamente o fenômeno entre os homens. Um estudo de primeiro mundo feito pela Escola de Psicologia e Aconselhamento da Qeensland University of Technology (QUT) conclui que os homens podem e sofrem de Disforia Pós-Coito (DPC), que resulta nos sentimentos acima após o sexo.

O estudante de Doutorado Joel Maczkowiack e o professor Robert Schweitzer, da QUT, disseram que embora a condição tenha sido reconhecida em mulheres, nenhum estudo havia identificado previamente o fenômeno entre os homens.

O artigo deles, e onde tirei este artigo – Disforia pós-coital: prevalência e correlatos entre os homens – foi publicado pela revista internacional Journal of Sex & Marital Therapy.

“O estudo analisa os resultados de uma pesquisa on-line internacional anônima com 1.208 homens da Austrália, dos EUA, do Reino Unido, da Rússia, da Nova Zelândia, da Alemanha e de outros países”, disse Maczkowiack. “Quarenta e um por cento dos participantes relataram ter sofrido DCP durante a vida, com 20 por cento relatando que o tiveram nas últimas quatro semanas. Até quatro por cento sofria de DPC regularmente”. É muito homem sofrendo!

O Dr. Maczkowiack acrescentou que alguns dos comentários de homens que participaram e que experimentaram tristeza após o sexo descreveram experiências que vão desde “Eu não quero ser tocado e quero ficar sozinho” ou “Eu me sinto insatisfeito, irritado e muito inquieto” até “Tudo o que eu realmente quero é sair e me distrair de tudo que eu participei.”

“Outro sentimento descrito” sem emoção e vazio”, em contraste com os homens que vivenciaram positivamente a experiência pós-coito e que usaram descrições como “sensação de bem-estar, satisfação, contentamento e “proximidade com o parceiro”, disse ele.

Leia Mais: O que os homens e as mulheres contemporâneos esperam do casamento?

O professor Schweitzer disse que os resultados indicaram que a experiência masculina de sexo pode ser muito mais variada e complexa do que se pensava anteriormente. Também teve implicações para futuras terapias e um discurso mais aberto sobre a experiência sexual masculina. “As três primeiras fases do ciclo de resposta sexual humana – excitação, ápice e orgasmo – foram o foco da maioria das pesquisas até agora”, disse o professor Schweitzer.

A experiência da fase depois do coito permanece um pouco misteriosa e, portanto, pouco compreendida. Acredita-se comumente que homens e mulheres experimentam uma série de emoções positivas, incluindo contentamento e relaxamento, imediatamente após a atividade sexual consensual, continua o Prof. Schweitzer.

“No entanto, estudos anteriores sobre a experiência de mulheres com DPC mostraram que uma proporção semelhante de mulheres experimentaram DPC regularmente. Como acontece com os homens neste novo estudo, isso não é bem compreendido. Nós especularíamos que as razões são multifatoriais, incluindo fatores biológicos e psicológicos“.

O Dr. Maczkowiack disse que as evidências anedóticas de contextos clínicos, ou seja as piadas entre os homens quando estão sós, bem como as contas pessoais postadas em blogs online, sugeriram que a DPC ocorria entre os homens e tinha o potencial de interferir nas interações do casal após a atividade sexual. “Estabeleceu-se, por exemplo, que os casais que se envolvem em conversas, beijos e carinho após a atividade sexual relatam maior satisfação sexual e de relacionamento, demonstrando que essa fase é importante para a união e a intimidade”, disse ele.

“Assim, o estado afetivo negativo que define a DPC tem o potencial de causar sofrimento ao indivíduo, assim como ao parceiro, interromper processos de relacionamento importantes e contribuir para a angústia e o conflito dentro do relacionamento e afetar o funcionamento sexual e de relacionamento.”

O professor Schweitzer acrescentou que, nas culturas ocidentais em particular, os homens enfrentavam uma série de expectativas e suposições sobre suas preferências, desempenho e experiência de atividade sexual. “Essas suposições são difundidas na subcultura masculina e incluem que os homens sempre desejam e experimentam o sexo como prazer. A experiência da DPC contradiz essas premissas culturais dominantes sobre a atividade sexual da experiência masculina e da fase pós coito”, disse ele.

Os participantes foram recrutados através de mídias sociais, artigos online e sites de pesquisa psicológica para preencher voluntariamente um questionário online transversal. Depois dessa pesquisa e divulgação mulheres, olhem com mais carinho para seu par após a consumação do ato. Se ele estiver chorando, triste ou deprimido, o problema não foi você. Ele está com DPC!!!!

Genaldo Vargas (a partir de agora prestando atenção nas próprias reações posteriores)

Fonte da história:
Materiais fornecidos pela Queensland University of Technology. Nota: O conteúdo foi traduzido, editado e adaptado com autorização dos autores e notas “relaxantes” inseridas pelo tradutor
1. Joel Maczkowiack, Robert D Schweitzer. Disforia pós-coital: Prevalência e correlatos entre os machos. Jornal de Sexo e Terapia Conjugal, 2018; 1 DOI: 10.1080 / 0092623X.2018.1488326

(Imagem: Radu Florin)

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Genaldo Vargas
Psicanalista, Palestrante, Professor Universitário, Viajante do mundo, curioso e eterno aprendiz..... É colunista do site Fãs da Psicanálise.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here