O silêncio, às vezes, é o nosso melhor aliado, é o que nos ensina o hinduísmo. Diante da vida é necessário um senso de responsabilidade mostrando que há coisas que é melhor manter em segredo, aspectos sobre as nossas aspirações, essências e realizações que fazem parte da nossa privacidade.

Fazer uma viagem íntima e repensar os motivos de existirmos, sabendo que somos os protagonistas da nossa vida – esse é o mais perfeito retrato da filosofia hindu. O objetivo final desta religião, especialmente na Índia e no Nepal, é orientar o ser humano no caminho da libertação, de forma que os nossos pensamentos, emoções, ações e palavras nos tragam serenidade, um estado de consciência onde tudo está em harmonia.

Em todas as religiões encontramos uma série de recomendações para que o equilíbrio interno, a paz e a harmonia sejam sonhos perfeitamente alcançáveis. Já através do hinduísmo aprendemos o que não devemos fazer, o que é melhor evitar ou restringir.

Não podemos esquecer que, dentro desse quadro filosófico, cada ação tem o seu efeito, a sua consequência. Um bom hinduísta, por exemplo, é aquela pessoa que sabe qual é o seu dever, qual é a sua responsabilidade, esse “Dharma” onde todo o progresso material tem a sua transcendência espiritual e o vínculo que moldará a verdadeira felicidade nesta vida e na próxima reencarnação. Portanto, é interessante saber quais são as coisas que é melhor manter em segredo, favorecendo esse senso de responsabilidade com nós mesmos e com os outros.

1. Não dê atenção à fofocas, aos boatos ou comentários negativos sobre outras pessoas
Se alguém nos conta um boato, faz um comentário depreciativo sobre outra pessoa, uma crítica ofensiva sobre o comportamento dos outros, é melhor ignorar e não repassar para outras pessoas. É bom lembrar mais uma vez o filtro triplo de Sócrates, isto é, se a informação que chega não é boa, nem útil, nem verdadeira, é apropriado não validá-la e deixá-la esquecida no canto do silêncio.

2. As suas próprias conquistas emocionais: os momentos em que você foi o vencedor
Só você conhece as batalhas que ganhou, as lutas pessoais que superou para provar a si mesmo que era capaz, que merecia o sucesso. Às vezes, o ser humano é forçado a evitar pedras no caminho que só ele entende (uma decepção, uma mentira, um abandono, uma frustração…) São histórias feitas de uma dureza delicada que nos esculpem, deixam marcas, mas que, por sua vez, extraíram o melhor de nós.

Essas vitórias, as mais íntimas, muitas vezes pertencem à nossa área privada. Quando você as diz em voz alta, elas perdem a transcendência, não são entendidas ou são interpretadas de maneira equívoca, como se nas nossas palavras houvesse alguma arrogância.

Leia Mais: Porque conhecer a própria mente (e o que acontece quando não a conhecemos)

3. Não conte para ninguém sobre os seus projetos
Se você tiver um sonho, uma proposta, uma meta, algo pessoal, seja prudente. Não diga aos outros antes da hora, caminhe calmamente e seja cauteloso, é melhor não se apressar. Deixe esses planos amadurecerem e se tornarem realidade.

Às vezes, quando contamos um desejo ou um objetivo, algumas pessoas ao invés de compartilhar a nossa alegria, nos presenteiam com o seu ceticismo ou pior, com as suas críticas. Portanto, não hesite em manter em segredo essas metas pessoais que você sonha alcançar.

4. As suas faltas
Há pessoas que se fixam no que lhes falta, na carência, ficam obcecadas com o que não têm e não conseguem ver o quanto elas são afortunadas.

Não aja dessa forma. É melhor manter em segredo aquilo que você não possui. Se você não tem um telefone celular de última geração, fique em silêncio, você pode estar com alguém que não pode se dar ao luxo de ter um, por mais simples que seja. Se você não tem um parceiro, não tem a casa que deseja, não pode viajar nas férias, não se lamente, não reclame tanto como se essa falta fosse a causa da sua infelicidade.

Às vezes, lamentamos não ter coisas que não são realmente importantes.

5. As intimidades da sua família
Se há aspectos que, sem dúvida, devemos manter em segredo, são as privacidades da nossa própria casa, da nossa própria família, do próprio casal. Isso tudo pertence apenas a nós mesmos: são dinâmicas, legados, situações e vínculos que não devem ser ditos em voz alta como se alguém soprasse um dente-de-leão ao vento.

Somente quando a situação requer ou se o objetivo final é receber ajuda para melhorar a qualidade desses vínculos poderemos discutir com terceiros a nossa intimidade. No entanto, precisamos ser prudentes e escolher com cautela em quem confiar.

– Concluindo: a sabedoria hindu nos fornece conselhos que de algum modo todos nós já pensamos alguma vez na vida. Na realidade, trata-se apenas de aplicar essa arte enriquecedora que é cada vez mais rara no mundo atual: a prudência, a reserva e o respeito alheio.

Portanto, não se esqueça disso: cada ato tem as suas consequências. Então, sejamos um pouco mais reflexivos e procuremos entender que o silêncio muitas vezes é o lugar mais adequado para manter certas palavras, certos sonhos e pensamentos. Afinal, um pouquinho de segredo nestes tempos em que quase tudo vai parar nas redes sociais certamente não nos fará mal.

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here