Todos nós já ouvimos o ditado, “O coração quer o que o coração quer”, sugerindo que não temos escolha sobre amar ou não alguém. É uma emoção incontrolável e arrebatadora que toma conta de nós e nos domina.

Mas isso é realmente verdade, ou nós temos uma escolha quando se trata de amor?

Isso depende um pouco da sua definição de amor. Fazemos conexões com as pessoas o tempo todo – pessoas que achamos interessantes, atraentes e com as quais temos muito em comum. No entanto, não caímos de amor por todas elas. Mas, ocasionalmente, há uma pessoa por quem somos mais atraídos do que qualquer outra pessoa. Então, qual é a diferença entre essa pessoa e todas as outras?

A resposta é que mais provavelmente trata-se de você.

Existem, sem dúvida, atributos específicos que a pessoa possui e que a tornam mais atraente para você do que outras pessoas. Também é verdade, no entanto, que, ao se apaixonar, você está em uma posição única em sua própria vida que permite que isso aconteça. A combinação de tempo, compatibilidade, atração e sua escolha de estar aberto ao amor torna tudo isso possível. Estar nessa posição é uma escolha que você faz, mesmo que seja inconsciente.

Para conhecer alguém e permitir-se ser conhecido bem o suficiente para estabelecer uma conexão amorosa, você precisa estar no estado de espírito correto. Você tem que estar aberto e vulnerável o suficiente para que esses sentimentos surjam e cresçam. Se você não estiver, a atração passageira que você sente provavelmente desaparecerá ou será esquecida.

Considere casais recém-casados. Eles estão no começo do que esperam que seja um compromisso vitalício de amor. Como seres humanos, eles são capazes de ver os outros ao seu redor e reconhecer a atração, os interesses comuns e o prazer que poderiam ter com outras pessoas além de seu cônjuge. Por causa de seu estado de espírito, no entanto, eles não estão mental ou emocionalmente abertos a estabelecer um tipo de conexão amorosa com outras pessoas. Eles fizeram a escolha de estar com a pessoa com quem se casaram e encontrar felicidade e satisfação com ele ou ela. Não importa o quão intrigante seja outra pessoa de fora, não é provável que se apaixonem por ela.

Há também uma diferença entre amar e continuar amando. Amar é a parte fácil. Supondo que você se permitiu estar aberto à ideia de conhecer alguém, sentir atração e prazer por estar com alguém com quem você se conecta não exige muito esforço. Eventualmente, no entanto, esse “pico” de um novo relacionamento desaparece e agora você tem que fazer a escolha de manter o amor vivo.

As pessoas em relacionamentos bem-sucedidos a longo prazo reconhecem essa escolha e se esforçam para reforçar esta conexão uma com a outra, bem como os sentimentos de amor e apreço que são necessários para manter o relacionamento forte. Quando essa escolha não é feita ativamente, e parece que o amor se foi, eles se tornam vulneráveis a desenvolver sentimentos por outra pessoa. Lembre-se, escolher não fazer uma escolha é uma escolha em si. Em algum momento de um relacionamento você tem que escolher fazer o trabalho para que as coisas deem certo.

Então, amar é uma escolha? Sim. E continuar amando também é.

Embora partes da experiência amorosa pareçam misteriosas e fora de nosso controle, em algum nível você faz uma escolha em cada estágio. Se você escolheu estar emocionalmente disponível para uma conexão com outra pessoa, ou se optou por manter o amor que criou, no final você fez uma escolha.

(Link original: psychcentral)
*Traduzido e adaptado por Marcela Jahjah, da equipe Fãs da Psicanálise

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here