Novos estudos sugerem que adolescentes meninos e meninas podem experimentar depressão de forma diferente e que os tratamentos diferenciados e específicos para cada sexo podem ser mais benéficos daqui para a frente.

As causas da depressão incluem complexas interações entre os eventos da vida, a percepção individual influenciada por fatores da personalidade, aliados à genética e ambiente, os recursos psíquicos e a capacidade de lidar com frustrações, perdas e tempos de espera.

Quando os pesquisadores do Reino Unido expuseram adolescentes deprimidos a palavras felizes ou tristes e mapearam seus cérebros, descobriram que a depressão tem diferentes efeitos na atividade cerebral de pacientes do sexo masculino e feminino em certas regiões cerebrais. Os achados sugerem que meninos e meninas podem experimentar depressão de forma diferente e que tratamentos específicos para cada sexo podem ser benéficos para adolescentes.

Homens e mulheres parecem sofrer de depressão de forma diferente, e isso é particularmente impressionante para os adolescentes. Aos 15 anos de idade, as meninas são duas vezes mais propensas a sofrer de depressão do que meninos. Existem várias razões possíveis para isso, incluindo problemas de imagem corporal, flutuações hormonais e fatores genéticos, onde as meninas correm maior risco de herdar a depressão.

No entanto, as diferenças entre os sexos não envolvem apenas o risco de sofrer depressão, mas também a forma como a desordem se manifesta e suas conseqüências.

“Os homens são mais susceptíveis de sofrer de depressão persistente, enquanto que a depressão das mulheres tende a ser mais episódica”, explica Jie-Yu Chuang, pesquisadora da Universidade de Cambridge, e uma das autoras do estudo, que foi publicado recentemente em Fronteiras da Psiquiatria. (Frontiers in Psychiatry)

“Em comparação com as mulheres, os homens deprimidos também são mais propensos a sofrer conseqüências mais sérias em sua depressão, como abuso de substâncias e suicídio”. Apesar disso, até agora, a maioria dos pesquisadores se concentrou na depressão em mulheres, provavelmente porque é mais comum.

Leia Mais: 5 hábitos que aumentam o risco de depressão

Isso motivou Chuang e seus colegas a realizar este último estudo para encontrar diferenças entre homens e mulheres deprimidos. Eles recrutaram voluntários adolescentes para o estudo, com idade entre 11 e 18 anos. Isso incluiu 182 mulheres e 124 pacientes do sexo masculino que sofreram de depressão e 124 voluntárias saudáveis e femininas. Os pesquisadores analisaram os cérebros dos adolescentes usando imagens de ressonância magnética, enquanto piscavam palavras felizes, tristes ou neutras em uma tela em uma ordem específica.

Os voluntários pressionaram um botão quando apareceram certos tipos de palavras e não pressionaram o botão quando outros apareceram e os pesquisadores avaliaram sua atividade cerebral ao longo do experimento. Quando os pesquisadores mostraram certas combinações de palavras na tela, perceberam que a depressão afeta a atividade do cérebro de forma diferente entre meninos e meninas em regiões cerebrais, como o giro supramarginal e o cíngulo posterior.

Então, o que esses resultados significam? “Nosso achado sugere que no início da adolescência, a depressão pode afetar o cérebro de forma diferente entre meninos e meninas”, explica Chuang. “O tratamento específico para o sexo e as estratégias de prevenção para depressão devem ser considerados no início da adolescência. Esperemos que essas intervenções iniciais possam alterar a trajetória da doença antes que as coisas piorem”.

As regiões cerebrais destacadas no estudo foram previamente associadas à depressão, mas é necessário um trabalho adicional para entender porque elas são afetadas de forma diferente em meninos deprimidos, e se isso está relacionado a como os meninos experimentam e enfrentam a depressão.

Como a depressão é mais comum em meninas, os pesquisadores não conseguiram recrutar tantos meninos neste estudo, e experiências futuras devem comparar números semelhantes de meninas e meninos para resultados mais representativos.
Chuang e seus colegas gostariam de explorar este fenômeno ainda mais. “Eu acho que seria ótimo realizar um grande estudo longitudinal abordando as diferenças de sexo na depressão da adolescência até a idade adulta”.

Acredito que não estamos longe do tempo em que os remédios serão produzidos de acordo com o DNA de cada paciente, porque somos diferentes e nosso organismo reage de maneira diferente à cada medicação.

Fonte do relato: Materiais fornecidos pela revista Frontiers in Psychiatry
Nota: O conteúdo foi autorizado para ser editado.

Referência na revista: Jie-Yu Chuang, Cindy C. Hagan, Graham K. Murray, Julia ME Graham, Cinly Ooi, Roger Tait, Rosemary J. Holt, Rebecca Elliott, Adrienne O. van Nieuwenhuizen, Edward T. Bullmore, Belinda R. Lennox, Barbara J. Sahakian, Ian M. Goodyer, John Suckling. Transtorno Depressivo Maior do Adolescente: Evidência de Neuroimagem de Diferença de Sexo durante uma Tarefa

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Genaldo Vargas
Psicanalista, Palestrante, Professor Universitário, Viajante do mundo, curioso e eterno aprendiz..... É colunista do site Fãs da Psicanálise.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here