Acontece. Você está lá no meio do trânsito e, de repente, começa a imaginar que está de férias numa praia paradisíaca com sua família. Você está estudando e quando menos espera seu pensamento foi para outra realidade bem distante e você nem ao menos sabe por quanto tempo está ali “viajando”. Ou ainda, antes de dormir você começa a criar estórias na sua cabeça, com personagens, falas e cenário. Quem nunca?

Imaginar, sonhar acordado, inventar situações que você gostaria que acontecessem é absolutamente comum. Mais do que comum. É gostoso.

Nos sentimos roteiristas de filmes, autores de novelas, contadores de estórias… É um momento que a criatividade rola solta, que a liberdade para pensar é de fato exercida, que as amarras sociais são esquecidas. Afinal, você pode pensar o que quiser que ninguém nunca saberá se não quiser compartilhar.

Desta forma, fantasiamos com o que não temos e gostaríamos de ter, com o que não somos e gostaríamos de ser e até com situações que temos medo que aconteça – as fantasias também podem ser frustrantes, apesar de serem mais raras.

Um dos pontos positivos das pessoas que gostam de fantasiar é que esse movimento pode suprir certa lacuna da vida afetiva, social, profissional e, com isto, gerar uma motivação para alcançar os sonhos planejados.

Entretanto, existem as pessoas que parecem viver numa realidade à parte (e não estou me referindo aos portadores de transtornos mentais). São pessoas que realmente gostam de estar na companhia dos próprios pensamentos, só que o tempo todo.

Leia mais: Transformando sonhos em realidade!

A fantasia excessiva funciona como um mecanismo de defesa que proporciona uma satisfação ilusória. Por exemplo, ao entrar na puberdade é comum que os adolescentes comecem a imaginar sobre a experiência de ter um namorado, sobre como será a primeira relação sexual… Mas alguns levam as fantasias tão a sério, que se alimentam delas e se fecham para o mundo real. Começam a acreditar que elas são melhores do que encarar o futuro parceiro, pois têm o controle da estória que criam e não precisam sair da zona de conforto.

Ou seja, esses adolescentes passam a se satisfazerem apenas com as fantasias, o que dificulta a vivência dos relacionamentos reais.

O desenho “O fantástico mundo de Bob” que passava na década de 1990 fala disso. Um garoto de 4 anos de idade que fantasia sobre tudo e todos. Ele cria cenas mirabolantes na tentativa de interpretar o mundo que está conhecendo. Por sinal, é um desenho que vale a pena pela originalidade e criatividade.

Leia mais: Que tal pôr os pés no chão?

Para uma criança, as fantasias são muito saudáveis; ajudam na elaboração da vida em sociedade. Para os demais, é saudável só até certo ponto.

Se você acha que as suas constantes fantasias podem estar te atrapalhando em algum ponto, procure ajuda profissional. Nossos pensamentos são os ingredientes para criarmos nosso mundo. Que mundo você quer construir?

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Rosa Abaliac
Psicóloga e mestre em Psicologia Social. É colunista do site Fãs da Psicanálise.

97 COMENTÁRIOS

  1. Gosto de fantasiar quando vou criar alguma obra de ficção, mas quando fantasio com minha própria vida muitas vezes me causa grande frustração, fantasiar com coisas q vc nunca vai fazer e ser; e pessoas q nunca vai ter começam prazerosas e terminam dolorosas. xD

  2. Eu vivo assim, fantansiando, criando o tempo todo. Quando volto a realidade, a frustração é mto grande, a sensação de angústia e tristeza tomam conta de mim.

  3. Eu vivo fantasiando todo tempo, qndo eu ouço música então… aí eh q eu viajo msm e me fecho, qndo Caiu na realidade de q minha vida não é a Fantasia q eu penso tanto eu fico triste mas aí volto a pensar de novo para não ficar pior.

  4. Viver no mundo da fantasia, ou aceitar a realidade?

    Embora na ficção a esperança seja a ultima que morre…
    Como o sofrimento emocional costuma ser a diferença entre os nossos sonhos e a realidade.
    Alguns, por serem psicologicamente fracos, ou ter um cérebro fantasioso, se agarram nas fantasias que ajudam superar a realidade da vida, e fazem isso de tal forma, que a mente do cidadão termina fabricando um mundo virtual.

    Apesar da vida ser uma “Escola”, e o sofrimento ser uma lição, um alerta de que algo está errado, e uma oportunidade para amadurecer.
    Pois psicologicamente falando, quem muito sofreu muito aprendeu…
    Alguns, por não conseguir discutir os problemas relacionados com o termino da vida, fabricam alguma realidade alternativa, onde eles fingem encontrar conforto…

    Como tudo o que você faz um dia retorna para você.
    E o presente é um reflexo do que fizemos no passado…
    Se existe algo no seu passado que o incomoda, não será possível mudar o passado, porem pode haver a possibilidade de mudar o futuro…

    Resumindo, como o cérebro do fundamentalista não tem capacidade de conviver com a realidade, mesmo perdendo o controle das forças que agem sobre ele, o individuo fabrica ilusões confortáveis, e se agarra no que finge acreditar…
    Corrija um individuo agnóstico, e ele ficará mais sábio, e agradecido.
    Corrija um religioso fundamentalista, e você não o convencerá, e ainda ganhará um inimigo.
    .

  5. Vivo Criando fatasias,com meu dia a dia,Onde todos sao meus amigos,todos gostam de mim,mas quando volto pra realidade,da uma angustia e uma tristeza,que prefiro voltar pros meus pensamentos.

  6. Eu faço muito isso e sinto que está me fazendo muito mal,pois quando olho para a realidade e vejo que nada do que imagino é real ,tento parar , mas até uma música serve de aspiração. As vezes acho que não vivo bem a realidade por causa disso, acredito que sonhar é bom, agora ficar obssecado em algo como eu fico só atrapalha a minha própria vida , não consigo as vezes suportar o real , é como uma droga, no início da prazer ,uma sensação muito boa,mais depois eu acordo pra realidade.

  7. Gosto de criar varias fantasias de mundo diferentes. Pensando como seria viver em tempos ou realidades diferentes. Mas isso não me afeta negativamente. Nosso mundo e uma bosta, porem e o que temos por hoje. kkkkkkk

  8. Desde pequena passei a fantasiar com outra vida, eu sempre fui muito presa então passei a usar minha imaginação para poder viver.
    E é isso que sinto que não me deixa ser completamente feliz, viver algo que não é meu, algo que nunca vou ter ou fazer porque começou ser extremamente irreal.
    Estou prestes a completar 28 anos e tenho medo que nunca seja completa ou viva buscando fantasiar coisas irreais pra fugir do meu cenário atual que é deprimente.
    😢

    • Nossa eu também estou com esse problema de viver parte imaginando. O meu caso é que também sempre fui muito presa. Preste a completar 19 anos …. creio que isso seja algum problema psicológico de escapismo. Pretendo me livrar disto, pois noto que isso é um empecilho para o meu crescimento

    • Sofro desse mesmo problema desde quando tinha meus 12 anos por aí, sempre fui muito privado de tudo, cresci meio com “medo” do futuro, por ter passado diversas situações na minha adolescência, então para aliviar tudo que passava eu acabava criando e essa “fantasia” na minha mente, e digo isso atrapalha muito, hoje é muito complicado para mim, mas me esforço o máximo para me livrar dessa situação, algo que não é muito fácil, você acaba sendo atraído pela aquela “fantasia” e tudo volta novamente.

  9. Eu criei uma pessoa na minha cabeça quando eu tinha 16 anos. Hoje eu tenho 38 e ele continua comigo, nos meus pensamentos. Não me atrapalha, nem me impede de viver, mas com ele é difícil olhar para as pessoas da vida real. As vezes fico meses sem pensar nele, outras vezes fico com ele 24 horas no pensamento. Chego a sonhar com ele! Eu criei cada detalhe do corpo, rosto e personalidade dele. Acho que pensarei nele até morrer.

    • Nossa achei surpreendente e assustador ao mesmo tempo!
      Porque ao ler a pesquisa eu me identifiquem muito em tudo o que foi dito na pesquisa.
      Eu estava pensando que eu fosse louca em pesquisar sobre isso, porque pensem não que havia algo assim, mas ao ver os comentários eu pude perceber que muitas outras pessoas também passam por esse mesmo problema!
      Obrigada por nos esclarecer sobre isso o que estamos passando, mas como fazemos para conseguir parar?

    • Meu Deus eu também, comecei isso com uns 12/13 anos eu acho, estou quase completando 19…
      Eu criei uma pessoa na minha mente e eu sei tudo sobre ela, aparência física, incluindo altura e peso. Também sei cada detalhe desta vida que criei, como relacionamentos, vivências e tudo mais. Além disso, eu crio até parentes e crio todo um histórico familiar, muito estranho quando penso.
      Enfim, até meus 16 anos eu só tinha uma outra vida imaginária, que é uma menina da minha idade e com o mesmo nome que o meu (mas com sobrenome diferente), só que americana e com alguns traços diferentes do meu. Mas com 16 anos criei outra, uma mulher de 21 anos (atualmente), coreana e totalmente diferente de quem eu sou (incluindo nome, aparência…).
      Quando penso nisso fico muito triste, eu realmente não queria mais pensar nelas, queria me livrar e viver minha vida, mas TODO dia eu penso em alguma delas, ou nas duas. Isso acontece só quando estou sozinha, ou calada, pq se interajo com outras pessoas ou estou com outras pessoas, eu me desligo totalmente delas.
      Pelo que vejo, isso não está atrapalhando a minha vida social (sempre fui tímida, mas não extremamente, ainda vou para baladas, trabalho e converso com pessoas diferentes normalmente), mas infelizmente, eu percebi que isso atrapalha meus afazeres, pois, pensar nelas me faz procrastinar demaisss, e eu realmente não queria…
      Ano passado eu estava no terceiro ano do EM, e estudava integralmente, então não pensava nelas muito, mas este ano, que eu optei por não entrar na faculdade, consequentemente eu estou com mais tempo livre e penso muito mais nelas. Então, espero que quando eu começar a faculdade ano que vem, eu possa parar de pensar nelas gradativamente, até não pensar mais.

  10. Eu fantasio muito, e quando tenho q voltar pra realidade é difícil pra mim, não tem um dia em que escuto uma música e não fantasie algo é MT bom, mas por outro lado acho q isso me afeta, por fantasiar coisas q não aconteceram isso me deixa mt para baixo.

  11. uuhhhh
    vivo no mundo imaginário
    passo o dia fantasiando coisas que nunca vão acontecer
    tenho um mundo imaginário onde tudo ocorre da maneira que eu gostaria que fosse na vida real
    onde existe uma vida paralela
    adquiro diversas personalidades de acordo com meu humor, (talvez depois eu venha e apague esse comentário)
    ate minha garota que e virtual e esta sempre nos meus pensamentos
    tenho como algo real que esta comigo
    dentre outras coisas.

    • Difícil, fazer uma discrição sobre fantasia ilusória.Bom,li alguns comentários e entendo que desejar que algo aconteça nunca si concretize; afinal só é desejos só seu!Eu já,criei si assim que posso falar, que houvesse mais união entre meus irmãos e eu, sem brigas, humilhações que tivesse respeito.(queria sentir o calor humano, que percebo que falta neles, que há de sobra em mim ).Mas é só um sonho meu que não irá acontecer ou seja não realizará.Estou tratando pela primeira vez com psicólogo,e vamos vê no que resultará.

  12. Quem está lendo em 2019?
    Vim parar aqui pq pesquisei no Google e já estava me achando muito louca.
    Assim como a Ana Ribeiro, eu criei uma pessoa na minha mente, com todos os detalhes. A sensação é que eu a amava com todas as minhas forças. Os diálogos perfeitos, uma vida perfeita, imaginava o trabalho perfeito e até o comportamento da pessoa longe de mim (que tb era perfeito).
    Certo dia decidi que estava muito louca e que eu deveria abandonar essa fantasia. Mas eu sofri muito. Muito mesmo. A saudade da pessoa me corroía e ainda me corrói.
    Quero buscar ajuda, mas fico pensando: será que o psicólogo vai dizer coisas do tipo “tenho coisas mais importantes para resolver, ajudar”? Pq realmente isso parece ser muito idiota.
    Enfim, alguém aqui procurou ajuda? Se sim, como vc está agora?
    Que bom encontrar vcs e ver que ñ estou sozinha neste universo.

    • 62 99558-1840

      Pode ter certeza que To pior que você : (

      Sua história me lembra um pouquinha da minha…. queria saber mais sobre a sua… ninguém sabe o q faço : (

      • oi,estou muito mau ultimamente também, não consigo parar. As vezes estão conversando comigo e alguma fala da pessoa me faz fantasiar, aí não consigo mais prestar atenção.É muito ruim, porque fico estressada com as pessoas pois ficam interrompendo as minhas fantasias. sempre antes de dormir e antes de levantar da cama pela manhã eu faço isso. Perco horas que eu poderia estar fazendo algo mais necessário.

    • Eu tb me achava louca, eu crio histórias fictícias toda hora, ouço ate musica pra isso, tudo torna inspiração, estou há anos assim, pq estou sofrendo muito, qro me livrar disso… se vc achou uma cura, por favor me ajude! Imploro…

    • Também vim pesquisar aqui achando que estava com algum tipo de transtorno psicológico, pois acredito que eu me agarrei a esse personagem por medo de enfrentar a realidade que é viver

    • Bom eu tenho 49 anos e vivo assim, desde que me entendo por gente, nunca achei que me prejudicasse não, sempre achei super normal, e achava que eu era meio maluca e vim pesquisar sobre isso, nossa fiquei surpresa com quantas pessoas com o mesmo problema. Eu vivo num mundo paralelo, a personagem sempre sou eu com meu próprio nome, mas sobrenome diferente, pois como não conheci meu pai, fantasio que ele me encontra e é muito rico, então sou mais nova, herdeira de uma grande fortuna, linda e apaixonada por uma ator britânico que é minha paixão na vida real, não falarei o nome dele por motivos óbvios, mas vcs podem imaginar o homem mais lindo e perfeito do planeta. É ele), amor que chega a doer. Nos conhecemos em Londres e no inicio nos brigamos muitos, mas depois ele se apaixona perdidamente por mim, e nos casamos. Afff quando volto para a realidade da até depressão, porque como gostaria que fosse tudo realidade…

  13. bom, tenho 14 anos e no mês de maio farei 15. desde que me lembro eu sempre inventava historias, fantasias. podia ser através de algum livro que li, filme, ou acontecimentos da vida real.
    eu ficava (fico) horas parada ou fazendo algo mas pensando em determinada historia que criei, imaginado como seria se eu fizesse tal e tal coisa.

    eu crio tantas coisas que até assusta, minhas fantasias vão desde eu ser uma vampira, uma rainha bruxa, uma pessoa de outra dimensão e etc.

    isso sempre acontece quando leio algum livro, eu geralmente me imagino inserida dentro da historia, conversando com os personagens e mudando um pouco o rumo caso eu queria.

    ultimamente estou muito ligada a serie de livros Harry Potter, e esta me causando vários problemas, pois eu fico imaginando que irei para uma escola de bruxos e que sou uma, mas quando meus períodos de fantasia acaba eu percebo que isso não vai acontecer, e que no mundo real nada disso existe, por isso fico triste e me sinto vazia.
    também criei vários personagens em minha cabeça, colocando detalhes, personalidades, aparências.

    conforme os anos, fui criando uma espécie de lacuna que só se preenche com magias, e historias fantásticas, como se eu só pudesse ser feliz se eu me imaginasse em um mundo mágico.

    perdi vários anos da minha vida, pois enquanto amigos e familiares estavam comigo, eu simplesmente não estava lá, eu estava imersa em meus pensamentos e mundos fictícios, ocasionando na perca de vários dias da minha vida, as horas passavam e eu nem percebia.

    acho que isto ocorreu comigo pois eu sempre fui uma criança criativa, amava filmes e historias magicas.

    mas quando eu estava com 11 anos eu mudei de cidade, antes eu morava perto da minha avó materna na qual eu passava horas e horas brincando com minhas primas. a cidade era do lado da antiga mas não dava pra ir lá sempre.

    como eu comecei o sexto ano em uma escola diferente com pessoas diferentes, senti a necessidade de fingir ser quem não era; todos conheciam a Ellen engraçada, que sempre emprestava as coisas, vivia de fofoquinhas irrelevante com as amigas e etc. poderia ser o considerado normal, mas pra mim não, eu não era assim, eu estava perdendo a minha essência, por isso e por viver agora meus dias sozinha, sem primas sem casa da minha vó comecei a fantasiar. era uma maneira de me ver livre já que fiquei tanto tempo presa dentro de casa.

  14. Eu vivo assim, fantansiando, criando o tempo todo. Quando volto a realidade, a frustração é mto grande, a sensação de angústia e tristeza tomam conta de mim.
    Preciso estudar para o vestibular, e essas fantasias não têm mais espaço para viver no meu ser, eu vou precisar esquecer que um dia ela sequer existiu 🙁

  15. Hoje eu tive a curiosidade de procurar sobre isso, eu fiquei surpresa com o que li. Vou fazer 29 anos e desde que me conheço por gente eu gosto de fantasiar histórias, eu nunca estou nelas, fantasiou realidades que nunca vão existir, é uma delícia, às vezes pode passar horas e horas, e quando foca em uma fantasia repito ela várias e várias vezes, mudando poucos detalhes até ficar perfeita. Mas agora eu acho que descobrir que isso não me faz bem, eu perco a concentração muito rápido, além do tempo perdido com uma coisa que nem é minha realidade.

    • Exatamente o que eu faço e como me sinto. Passar horas fantasiando é tão bom até voltar pra realidade e ver que procrastinei coisas importantes. Queria muito poder parar, mas acho que não consigo mais. Estou sempre aperfeiçoando as histórias até cansar e criar uma nova.

      • Faço exatamente a mesma coisa que duas fazem, se nós três conversássemos mais sobre o assunto tenho certeza que iriamos notar muitas semelhanças sobre essas fantasias. Tenho 17 anos e criou isso desde os meu 12 anos, tenho um mundo “perfeito” criado na minha cabeça, sobre o presente e futuro, uma vida inteira construída em cima da minha própria realidade, aonde eu pego tudo aquilo que eu acho e que eu gostaria que tivesse nessa “vida ideal”.

  16. Lendo os comentários posso ver que não estou sozinho. Eu também me senti assim durante muito tempo e ainda posso dizer que sinto. Acredito que muitas vezes essa criação de um mundo imaginário se deu conta por causa da minha indignação com algumas coisas que havia na minha realidade e não algo que eu queria mudar. Porque se eu quisesse mesmo pensaria menos e agiria mais.
    Depois de ler todos estes comentários, só fico com mais energia para aceitar o que há entorno de mim e ir aos poucos moldando a minha vida da forma que eu posso. E, claro, imaginar coisas que algum dia eu venha, de fato, conquistar com metas e planos sólidos.

  17. Eu crio mt coisa tb! É uma história tipo uma novela, me realizo depois quando volto a realidade fico triste. Teve um tempo da minha vida que consegui parar com isso ( pois sou assim desde pequena) agora aos 30 anos faço isso de novo e o pior eh q eu gosto bastante mais fico sempre frustrada depois. É esquisito e me sinto mal as vezes como se eu fosse a única q fizesse isso, mas lendo os comentários…Ufa! Não sou a única.

  18. Comigo começou quando me apaixonei pela primeira vez, mas estou sempre me apaixonando, então não tenho folga dos meus pensamentos.
    Eu vivo no mundo da lua, e isso começou quando eu tinha 07 anos e hoje tenho 20, e ainda não parou, as vezes é um fardo e as vezes é o que não me deixa desistir, invento situações, histórias românticas sempre com coisas que eu queria ter, mas não tenho, me deixa triste e decepcionada é o fato de nada ser real, me excluo da sociedade e não quero voltar a realidade, já cheguei a ficar dias inteiros deitada, sem comer, porque eu acreditava que necessidade de imaginar era maior do que viver, e nunca falei isso com ninguém, não sei porque, e fico na mesma história durante dias invento uma verdadeira novela, e na maioria das vezes eu e meu par romântico sempre percorremos vários obstáculos até sermos felizes como uma típica história de amor.
    Se eu pudesse escrever tudo que já criei daria para fazer uma coletânea extensa de várias histórias românticas e eróticas.

  19. Eu tb me achava louca, eu crio histórias fictícias toda hora, ouço ate musica pra isso, tudo torna inspiração, estou há anos assim, pq estou sofrendo muito, qro me livrar disso… se vc achou uma cura, por favor me ajude! Imploro…

  20. Fantasio um “Eu” imaginário que alcança todas as conquistas que sempre sonhei , porem percebi que estava tão acomodado com estas conquistas e desisti as da vida real. Hoje tenho 34 anos , não possuo nenhum sucesso profissional , social e amoroso mas me contento (e muito) com as conquistas do meu “Eu” imaginário e estou vendo minha vida passar sem conseguir dar um passo se quer para sair desta situação. Frizando uma questão racial e auto estima baixa , pois o meu “Eu” é branco e extremamente bem sucedido sendo que eu na verdade sou negro.

    • Dan… cara… chorei muito lendo teu comentário. Desejo o melhor pra você… e pra mim também, que me identifiquei muito com sua história. Forte abraço.

    • Me identifiquei com sua história. O meu “Eu imaginário ” também é bem sucedida, é médica e gosta de fotografar por paixão a fotógrafias, ela é um pouco alta e tem o corpo perfeito, tem também olhos azuis esverdeados. Muito diferente do meu eu real, que não concluiu uma faculdade, tem trinta anos, mora com os pais, é baixinha e gorduxinha, tem os olhos castanhos. Resumindo: um fracasso.

  21. Isso é um caos, sempre que algum professor pergunta “Quem de vocês já foi a Disney, ao Canadá?” Eu falo que já fui nesses lugares e mais outros, sendo que nunca sai da minha cidade. Isso pra mim é “normal” pq simplesmente eu coloquei na minha cabeça que eu já fui a muitos lugares, que eu já sofri um acidente trágico e sobrevivi, que eu já conversei com famosos pessoalmente e muitas outras coisas improváveis de acontecer.
    Isso é estranho mas é assustador

  22. desde muito nova fantasiei sobre tudo… é muito ruim, me atrapalha. acho que é uma fuga da minha realidade. sou casada a 10 anos, mas não estou feliz, porém não tenho coragem de me separar por ter um marido excelente. nas minhas fantasias consigo me separar e consigo me relacionar com outros homens… é muito triste, mas é a minha realidade!

  23. Cara que incrível saber que tem pessoas como eu, também criei um EU melhor nas minhas fantasias, totalmente diferente de mim, as vezes gostaria que esse Eu tomasse conta da minha realidade.

  24. tenho 49 anos e tenho isso desde de pequeno acho que comecei criar historia aos 10 anos aproximadamente, tentei parar varias vezes, não consigo, atualmente na nova estoria sou um delegado da policia federal vivendo uma vida entre casos de policia e uma vida familiar, acho que estou enlouquecendo, mas faz tanto tempo que convivo com isso, e as pessoas não me estranham, nem percebe que eu não estou no ambiente mentalmente só fisicamente, acho que só atrapalha na concentração me tirando do foco do mundo real, acho que fujo da realidade.

  25. Tenho 26 anos e não diria que sofro com isso, pois aumenta e muito minha criatividade, infelizmente não consigo alcançar os lugares que vejo na minha mente, mas uso para planejar um lugar pra mim no futuro.
    Minha mente é absurda para criar ações rápidas (como se eu estivesse as fazendo) e lugares onde a realidade não chega (acredito eu), como por exemplo no filme Avatar. O filme mais lindo que já vi em toda minha vida, e quem dera eu estar em um lugar daquele. Um lugar que me inspira de uma forma inimaginável, que me dá força para alcançar minhas metas e objetivos na vida. Um lugar onde o amor pela vida supera qualquer coisa.
    Bom, como puderam ver, sou fascinado pela magia, infelizmente sinto pela humanidade, que poderia muito bem fazer do planeta Terra um lugar idêntico ao mundo de Avatar, amando a vida, desde as plantas e animais, respeitando tudo e todos.

    Sigo buscando o meu lugar neste mundo ou talvez em algum mundo que eu crie 😀 Desde que eu seja feliz!

    Boa sorte a vocês!

  26. Ler estes relatos foram de certa forma um alívio para mim… Eu crio sempre a mesma história… Que sou irmã de uma pessoa famosa e que fico famosa também e que acabo namorando com outra pessoa famosa e acabo me sentindo feliz!!! Já tenho isto há mais de 15 anos e acabo na realidade sendo infeliz no meu casamento, profissão e tudo o mais… As vezes quero sair logo desta vida para acabar com isso de vez 😭

  27. Nossa…
    estou com 25 anos tenho uma irma de 22 e quando eramos crianças brincávamos muito juntos com bonecos e e coisa e tal… desde os 10 eu comecei a pensar que ao invés de brincar com os bonecos casinhas ou carrinhos, eu poderia imaginar que eu era de fato os personagens vivendo fazendo comendo etc. ate ai tudo bem,
    porem desde então não saio mais desse mundo imaginário, todos os dias nem que seja por 5 minutos eu me pego pensando estar em outro lugar, fazendo outra coisa. E estou quase casado, e penso estar ate mesmo em outro relacionamento com outra esposa, quando estou trabalhando eu penso esta trabalhando em outro emprego, e ate conversando sozinho as vezes como se estivesse realmente em um debate com assuntos complexos… isso me atrapalha a concentrar no que estou fazendo e demorar em fazer atividades do dia-a-dia…

  28. Eu sei bem como é isso, porém, na minha vida isso está me atrapalhando muito percebo que não consigo me concentrar em conhecer pessoas e socializar de início pensei que tinha algum problema mental passageiro, sei lá. De uns tempos pra cá percebi que não consigo me concentrar no trabalho, nada faz com que eu foque minha atenção, pessoas rasas sem conteúdo e que não conseguem acompanhar meu raciocínio eu não consigo focar na conversa e viajo, os assuntos passam na minha cabeça a mil e sempre tenho que estar lendo ou assistindo algo pois se eu ficar parado a cabeça dói de tanto pensar e não são coisas normais, são coisas tipo e se fosse o Superman ? E se eu chegasse naquela mina agora e beijasse ela ?. Isso quando os pensamentos não são sexuais, que aliás ultimamente são um pesadelo na minha cabeça eu sei que é errado e de certa forma doentio, mas com quem eu vou me abrir e falar sobre isso ? Já não sei oq fazer pq ultimamente tenho preferido dormir, isso mesmo dormir isso pq toda vez que eu durmo sou teleportado para outro mundo e a imaginação fica vivida e posso sentir tudo. Já não sei oq fazer, só sinto que preciso sair desse mundo mas ainda não sei como

  29. Sou assim,criei personagens e vidas pra eles.Comecei quando criança e isso perdura até hj,e estou com 40 anos.Criei também um eu que eu gostaria de ser,totalmente diferente do que sou,de que eu sou.Esse eu é bonita,extrovertida,inteligente,realizada pessoal e profissionalmente,tudo que eu não sou.Cabelo,cor de pele,altura,….tudo que eu gostaria de ter.Fantasio muito,quando “acordo”,sinto uma enorme frustração,por que a minha realidade é frustrante.Sou feia,negra,nariz chato,cabelo crespo,baixinha,tímida,introvertida,fracassada em tudo o que faz,sozinha,nunca namorei beijei ou fiz sexo na vida.Eu existo,mas nunca vivi.

  30. Eu tinha certeza que tinha esquizofrenia leve ou alguma psicopatia, tava agora pesquisando e fazendo testes pra saber que problema tenho, até que cheguei aqui. Sou homem, tenho 28 anos e me encontrei neste artigo e me identifiquei com os comentários. Sou exatamente assim, fantasio coisas, crio realidades alternativas como outros ‘Eu’ com personalidades diferentes, sempre que canso de uma história ou sinto que uma história encerrou por não ter mais o que extrair dela, eu simplismente deixo pra lá e crio uma nova história. O padrão é sempre o mesmo, meus personagens tem aspirações, buscam realização profissional e afetiva, se envolvem num dramalhão romântico, e no fim quando alcançam todos os seus objetivos profissionais e pessoas eu simplismente canso e parto pra uma nova história. Tem vezes que a história é tão intensa pra mim que simplismente fico falando sozinho, como estivesse vivendo aquilo que eu estou imaginando. Ir pro banheiro é um problema, fico horas lá só fantasiando e falando sozinho, eu acho que minha mãe pensa que fico me acabando na punheta kkkkk
    Eu queria me livrar disso, viver a realidade, lutar pelos meus sonhos e não imaginar eles. Queria ser normal, viver um romance normal, ter amigos reais e n imaginários. As vezes penso em procurar ajuda psicológica, mas tenhi um bloqueio, fico constrangido só de pensar em contar isso pra alguém. O que vai ser da minha vida? Como me livrar disso?
    Atualmente nem conseguindo dormir eu consigo, n consigo viver minha vida, e sinto que isso está me atrapalhando por completo.

  31. Eu faço o mesmo! Mas a mim nao me afeta em nada, aumenta a mimha concentração e a minha capacidade de conseguir alcançar o meu objetivo!
    Pensava que era louca, fico feliz por saber que nao sou a unica

  32. Aqui, eu controlo meus pensamentos até a hora de dormir, meio que é gostoso imaginar uma vida diferente da minha e dar vida a uma personagem que sou eu mesma, mas com aspirações diferentes, objetivis diferentes.
    O que me deixa mal é que me coloco no lugar do meu esposo que é um marido muito bom e pensar como eu me sentiria se soubesse que ele imagina uma vida diferente da nossa, com um romance… Isso é o que me afeta pois eu o amo muito e não passa pela minha cabeça ter outro homem, mas na minha imaginação, eu tenho um romance com outro homem, as vezes até vários. Eu tento me acertar com algum deles mesmo sabendo que amo o meu marido mas ele não me quer na minha imaginação.

    Sei lá… Eu acho que ele se sentiria mal mas eu me sinto tão bem…

  33. Ufaah! Não sou a única! Eu faço isso o tempo todo (desde criança). Hoje tenho 25 anos e entendo que isso não me faz bem, tira minha concentração das coisas importantes que preciso fazer, perco muito tempo fantasiando (muito mesmo) tempo que eu poderia estar interagindo com a minha família, fazendo amigos, buscando crescimento espiritual, dando o meu melhor no trabalho e nos estudos, ou mesmo meditando sobre a realidade concreta da minha vida para encontrar formas de crescer pessoalmente, amadurecer, colocar os pés no chão e ser grata pelo o que tenho de verdade. Mas ao invés disso eu vivo em um mundo imaginário, passando até horas do meu dia me satisfazendo em alguma fantasia que eu crio, se estou no ônibus, limpando casa, comendo… nunca estou lá de fato! E é claro que nas minhas fantasias eu sou muito melhor: tenho um ótimo emprego público, não tenho medo de dirigir, sou segura e confiante, falo muito bem em público, tenho muitos amigos, tenho um corpo e cabelo perfeitos, sou inteligente e capaz de conversar sobre qualquer assunto etc. Um tipo de fantasia que tenho tbm são as que eu crio com base no passado, coisas que não foram com eu gostaria, eu reinvento, por ex: eu era muito apaixonada por um rapaz da igreja que nem olhava para mim, ele sempre se envolvia com meninas muito mais bonitas que eu, extrovertidas… Aí eu crio mil situações daquela época onde eu era muita bonita e extrovertida, não tinha vergonha de puxar papo com ele, e no final da fantasia ele sempre se apaixona por mim, ou ele se apaixona e eu desprezo ele. Eu sei que isso não é saudável e já à algum tempo estou me esforçanfo muito para viver o presente, porque só assim (com o foco nas situações reais) e que vou ter a chance de ser melhor, de alcançar meus sonhos, mesmo que não aconteça identico as minhas fantasias é muito melhor viver algo real do que viver sonhando. E isso tem haver muito com gratidão tbm, conseguir valorizar as coisas boas que Deus nos deu (um lugar para morar, comida, pessoas que nos amam), aquilo que não podemos mudar, pedir a Deus para nos ajudar a aceitar com maturidade, e aquilo que podemos melhorar, gastar nosso tempo e energia trabalhando para mudar e não viagando na maionese que só faz mal a auto-estima e o emocional, e quando vc acorda da fantasia sua vida está igual ou pior, porque as coisas só mudam na nossa vida com esforço e trabalho.

  34. chegando até aqui percebi que não sou tão estranho quanto pensava(o que me alegrou muito), porém isso não importa muito já que vou continuar fantasiando em um nível cada vez maior que vai me arrastar para uma triste e anti-social vida. tenho 20 anos, nem uma ambição, só sei que o único lugar que é feliz e “realizável” é na minha imaginação. O que eu posso fazer? eu realmente não sei, isso se tornou parte de como eu enxergo o mundo, se tornou minha maneira fácil de encarar o que é difícil; eu estou perdido e não sei o que fazer as vezes eu penso se acabar logo a pressão e a frustração vão embora

  35. Mais uma noite irei para cama e possivelmente vou demorar para dormir pois vou estar em êxtase de dopamina, por mais quanto tempo ? n sei só sei que isso aconteceu e agora nada mais posso fazer

    Estou triste pois a realidade culminou ao amanhecer
    – mas horas o que é isso ? por que tem um relógio em cima de minha cama ?
    Um relógio dourado com um grande botão prata ao lado direito misteriosamente surgiu em sua cama, e com ele um manual
    -olhe um manual !! isso realmente é conveniente, vamos ver o que diz essa instruções
    Relógio atemporal pag 1 : Relógio atemporal, este agora que está em sua posse é um objeto que pode viajar pelo espaço tempo lhe proporcionado o poder de restaurar as merdas que vc fez, com ele vc recebera as skills de : confiança, auto controle, bom senso, paciência e todas as outras skills que para utiliza-las seria necessário tudo o que vc n tem e acha que n pode ter. (mais um dia no paraíso)… boa noite

  36. Caramba. Eu estava achando que estava virando esquizofrenica. Cara. Sem ofensas. Como faz isso parar??
    Começou cedo aos meu 8 ou 9 anos. E eu sempre imaginei um mundo. Um n varios mundos realidades possibilidades historias a partir do meu eu. Nossa. Ate um livro escrevi. Só q hoje eu… sou mãe de tres filhos e casada e professora e insatisfeita. Pq toda aquela imaginação se tornou sonhos n realizados. E transtorno de ansiedade e depressão por tudo ter saido diferente do q imagino. Nossaa. Como cuido disso?

    • Eu tbm achei que estava. Não me lembro quando comecei,mas lembro de sempre sonhar acordada com um mundo que não era meu,quando mais nova fantasiada uma vida,com artistas que amava,namorando,tendo um vida diferente,imaginava eu mesma. Hoje com 33 anos casada a 11 anos e uma filha linda que amo tanto,ja me peguei querendo ter uma vida diferente da que tenho,eu quando era pequena cantava,então comecei a fantasiar sendo uma cantora de sucesso,sempre sonhei em ser bailarina,até hoje de tanto ver alguns filmes me vejo fazendo alguns passos,tendo ainda flexibilidade,minha pequena faz balé e ela chega e me conta qual passo aprendeu. Eu amo ter ela em minha vida,me realizo com cada coisa que consigo dar a ela que não tive. E alguns momentos desse sonhar sozinha se forem,porém agora voltou com uma intensidade absurda,me sinto sozinha,tenho imaginado uma pessoa totalmente diferente de mim,com algumas características que gostaria e talentos como o de ser bailarina,chega ser estranho porque aquela mania de me imaginar com um artista não mudou,pequena era sendo irmã,parte da família,namorada…e imagino esse eu que criei vivendo uma estória linda e conturbada,chego a pesquisar na internet sobre aquele artista que me conquistou,olhar as redes sociais,ver como é minha família e fazer com que tudo seja muito real na minha mente. Acho que tô ficando louca só pode. Tudo que faço na minha vida profissional eu me dou muito bem,nao tenho o que reclamar,mas minha vida amorosa não está como gostaria. Uma típica cancerígena romântica,maluquinha,que hoje vive literalmente dentro do seu casco

  37. Desde criança,não me lembro ao certo minha idade, vivo em mundo que só exite na minha cabeça, e para dar vida as minhas fantasias, eu sempre ouço música no ultimo volume no fone e tenho que ouvir correndo pela casa ou pulando , se eu ficar parada não consigo imaginar. Dependendo da música que estou ouvindo, vivo a minha historia de varias formas, mas e sempre a mesma historia que crio. De acordo com o passar dos anos as fantasias mudam de forma. Mas e aquela coisa que eu sonho em ser, e que na vida real e impossível. Se estou triste, alegre, ansiosa, nervosa sempre procuro escutar musica e imaginar o meu mundinho. Hoje tenho 21 anos e sinto que esta atrapalhando a minha vida, a vida real e tão distante da fantasia que quando volto em mim , e frustante e triste

    • A minha situação e praticamente igual a sua, tenho 16 anos desde pequeno sempre criei “realidades alternativas” que nunca poderão se realizar, geralmente relacionado a um mundo magico ou algo do gênero, como você eu também só consigo imaginar se estiver correndo pela casa ou me movimentando, caso eu fique parado começo a ficar muito ansioso e minha imaginação parece não “fluir” apesar de não necessitar de música minha imaginação melhora algumas vezes (parece mais vivida) quando ouço
      Música, minhas maiores inspirações são animes e mangás, minha imaginação e tão fértil que até consigo “dar” corpo 3d na maioria das vezes realista aos personagens,
      Durante algum tempo eu tentei me manter afastado tanto dos animes quanto dos mangás mas e como um vicio, agora nessa quarentena quase 24 horas assistindo animes o que aumenta muito minha imaginação, no fim das contas tudo que sobra no final e a tristeza de não poder viver naquele mundo e situação tão almejados, fico feliz de encontrar alguem que a situação parece bastante com minha, pois em todos os relatos, apenas esse relata situação de precisar correr ou pular, te desejo sorte na tua jornada abraços.

      Quem quiser conversar sobre o assunto manda um email para ramonhenrique.a.m.oficial@gmail.com

  38. Eu não sei se entra no contexto mas costumo fantasiar coisas inexistentes ,por exemplo:as vezes quando termino de ler um livro muito bom eu fico imaginando a continuação me incluindo como personagem e eu gosto realmente muito disso.Eu estava lendo esses comentários e a maioria falou que quando caem na real ficam frustados.Bom, eu não sei se essa explicação se encaixa nas minhas fantasias,pois não me sinto frustrada depois delas.

  39. Eu Não sei se é a mesma coisa que eu sinto, mas sempre quando começo a sentir que estou gostando de alguém eu imagino diversas situações que eu sei que se eu imaginar nunca vai acontecer, e não acontece. Eu não sei se é uma maneira de me auto sabotar, mas todo sentimento romântico pra mim se torna muito intenso, pq eu fico relembrando situações que aconteceram de vdd mas dá minha maneira, ou seja, de tanto eu relembrar eu já não sei mais se aquela situação era positiva da maneira que eu penso. Todas as relações em que eu sinto interesse pela pessoa, são extremamente intensas pra mim, e é muito difícil passar por isso, pq por mais que tu tente viver a realidade, aquele sentimento volta e fico lembrando da pessoa novamente. Criando motivos pra ela não estar comigo agora, ou pra ela não ter gostado de mim, tipo “Ah é pq ele é tímido”, e isso machuca muito… Eu não sei se eu vivo a realidade de vdd, pq eu penso muito, o tempo todo, tentando me modificar ou repetindo a frase das pessoas na minha cabeça. É muito fácil eu me distrair. Fico pensando em coisas aleatórias, nada haver com o assunto, e muitas vezes tenho que perguntar oq aconteceu, pq eu não vi ou não ouvi.

  40. Eu coloco o fone no ouvido e fico andando pela casa me imaginando ser outra pessoa uma pessoa corajosa que faz as coisas sem pensar duas vezes na hora que começo e muito bom, mais depois que me dou conta do que estou fazendo fico muito triste a ponto de chorar por muito tempo não consigo fazer nada o dia todo só fico presa nessa realidade que eu crio me dá muita tristeza mais não sei se quero parar 🤷🏾‍♀️😪😔😔😔😔😔

    • Eu tabem,tipo fantasio eu me suicidado,mais am antes disso eu coloco um vestido Vermelho solto os cabelos sem sapatos,me sentindo livre,danço,pode parecer estranho mais nessa fantasia eu tô feliz porque realmente eu vou morrer,bebo muito dou altas risadas,mais depois vem meio que uma tristeza Aí eu falo”agora e a hora” pego o carro dirijo mais de 120 km por horas,aí chego finalmente em uma ponte bem alta,choro um pouco,E depois me jogo,enquanto não cair ainda no chão,enquanto estou ainda caindo vejo a pessoa que eu amo parece que ela tá caindo junto comigo tabem,tipo suicídio duplo…toda essa fantasia ao som de “summertine sadness “da Lana del rey.

  41. Eu mim identifiquei muito com cada comentário que li, pensei que eu era o único que tinha esse problema, mais pelo visto não. Minha imaginação e totalmente intensa, sempre gostei de assistir coisas de ação e tals, mais eu gosto de ação, fantasia, drama etc… Com o tempo conheci o Dragon ball ( um anime que alguns devem conhecer), minha imaginação era o “Eu” totalmente musculoso, onde eu usava várias roupas alternativas, e atualmente na minha imaginação estou com um sobre tudo, com colete social, e calça social branca. Eu mim imagino sempre em um cenário diferente, onde eu sou um sayajin super forte, e estou lutando contra vários deuses malignos do submundo, seres misticos, e criaturas de diversos tamanhos. Atualmente eu sai de posto “sayajin”, e mim tornei um ser elétrico altamente forte, pois gosto da cor vermelha e do elemento relâmpago, então me imagino sendo sendo um guerreiro relâmpago ajudando outras pessoas, ou e na minha imaginação tem personagens de Dragonball, Naruto etc… Mais fui modificando e criando uma coisa própria, sou um guerreiro que sempre luto, mesmo lutando sozinho, criei outros personagens igual a mim, onde também mim ajudam etc… Sempre quando vou imaginar, preciso ouvir música de ação, e ficar em uma cadeira de balaço e fico balançando e imaginando, só que por muito que eu goste de ação e tals, eu fico ruim, pois depois que eu saio da imaginação e retorno ao mundo real, mim dá agonia, um vazio por não saber que tenho aquele poder, que eu tenho na imaginação, quando vejo animes, fico mim imaginando na cena atual do anime, e enfrentando os vilões etc… Cara quando parei para procurar mais a imaginação em excesso, fiquei surpreso com o conteúdo e os comentários, e sei que estou fugindo da realidade, pois passo horas, e horas imaginando o “Eu” imaginário, ao invés de buscar conhecimento e desenvolvimento Espiritual, emocional, pessoal, e profissional, devemos imaginar coisas que sabemos que pode ser realidade, e não coisas imaginarias que não podem ser reais, sei que vamos sair dessa gente, Deus está conosco, e devemos agradece-lo pela vida e o proposito de vida que eles nos concedeu que e “fazer o bem”, bom gente ai está meu relato, devemos viver mais a realidade, e não o imaginário, sei que vai ser doloroso deixar essas imaginações, mais tenho que viver a realidade, onde posso sentir, tocar, cheirar, amar, e isso galera, fiquem com Deus nosso Pai que estás no Reino dos Céus, aliás devemos recorrer a ele né 🙂

  42. Estou impressionada com a quantidade de pessoas como eu, eu nunca contei pra ninguém que fantasio tudo, quando tinha 20 anos comecei a fantasiar que eu era uma cantora de sucesso, pois eu trabalhava em uma loja que tinha música tocando o tempo todo, imaginava eu contando, compondo, e fui aprimorando a fantasia após 18 anos hoje imagino ser Beyoncé, Rihanna, Lady Gaga, Michael Jackson, etc Penso que sou brasileira que fez sucesso na EUA sou eu que canto todos os sucessos atuais sou rival de Anitta kkkk, mas essas não são as únicas fantasias tem uma que eu adoro tem dias que vou pra cama fecho os olhos só pra ir pra esse mundo, que eh muito gostoso me faz tão bem, quando volto a realidade estou me sentindo muito bem,
    E como se eu tivesse uma vida paralela onde tenho filhos marido, profissão sou rica não me falta nada, eh como se fosse uma novela onde tem personagens, e eu sou a protagonista, já traí meu marido ele me traiu também meus filhos já cresceram, e eu estou querendo engravidar denovo tenho vários amigos viajo muito sou feliz, quando preciso sair da fantasia para a história e continuo depois da onde parou tudo tem detalhares cores, cheiros e sentimento. Me peguento se quero essa vida da fantasia digo que não pois não me falta nada na vida real, sou solteira não tenho filhos tenho 38 anos, tenho um namorado de 10 anos moramos juntos e mesmo quando morava com ele eu ainda tinha essa fantasia paralela, viver assim não me faz mal pelo contrário se estiver mal eu vou pra esses lugares, que me conforta, se estou bem eu quero ir pra esses lugares também. Um dia pensei será que sou louca? Porque as vezes estou conversando e a pessoa tá falando é me vejo continuando a história, mas logo volto e não peço a caverna ou o que estou fazendo, também, se algo der errado na história eu volto e conserto, uma vez ouvi a Márcia sensitiva falando que todos nós temos algumas vidas paralelas que nós vivemos aki na terra e também somos nós mesmos vivendo em outros mundos outros planetas talvez ou em outro país que existem pelo menos mais 2 de nós vivendo em outro lugar, eh tão real que chego a achar que ela tem razão enfim essa sou eu!

  43. diferente das pessoas acima, na maioria das vezes eu não fantasio coisas boas. Agora mesmo eu, sem querer, me imaginei descobrindo uma doença em mim e todo o meu sofrimento na hora de contar para meus familiares. Quando “me dei conta” eu estava chorando, triste e angustiada com essa fantasia, esse pensamento. Eu faço isso com muita frequência quando estou sozinha e é simplesmente do nada! Você acha que eu tenho algum tipo de distúrbio? estou um pouco preocupada…

  44. Gente, eu por muitos anos achei estar sofrendo por esses mundos fantasiosos, hoje tenho a plena convicção de que esse é algum sistema de DEFESA do nosso cérebro, eu passei por situações extremamente traumáticas, como ver meu pai definhar com o câncer, a minha māe desaparecer da minha vida, uma cidade que eu não conhecia e todos os tipos de problemas financeiros, pq isso tudo aconteceu antes dos meus 15, eu virei um adulto com 15 anos, com todas as responsabilidades de um e ainda tendo que ir pra escola, pq meu pai foi um anjo e me ensinou a importância de estudar… enfim, eu vivi um inferno nos últimos 10 anos, chegando ao ponto de comprar uma pílula de cianeto pra me matar, ainda bem que fui enganado e estou vivo, a fantasia sempre esteve do meu lado, no meu mundo existem castas, religiões, idiomas, canções, efeitos históricos que refletem atualmente, no auge da minha depressão a única coisa que me acolhia eram essas fantasias, e como passei um tempo desempregado e desesperado, tive muito tempo pra pensar sobre o que essas fantasias refletiram pra mim, pq começaram a ficar complexas DEMAIS e a tomar boa parte do meu tempo, o meu medo sempre era sobre o que iam pensar de mim, (um ADULTO viajando em mundos fictícios?) pq não eram só um personagem, eu tenho absoluta certeza que já passam de 1 mil, e eu lembro da história de cada um, de onde vivem e todas as motivações pra serem como são, eu há muito me perdi nesse mundo, eu não sei mais quem eu sou nele kkkkk e por mais que eu possa passar um dia inteiro vivendo em outro universo, eu sempre soube o que era a realidade, eu nunca ouvi vozes ou vi coisas, depois de uma década pude pagar uma psicologa, e hoje com meus pensamentos em dia percebo que isso faz parte de mim e que esses personagens nunca vão embora, e por isso comecei a escrever, e eu recomendo que façam o mesmo se gostarem OU NÃO E TÁ TUDO BEM, vocês são criativos e especiais, é com a gente que o que muda a cultura nasce, afinal vocês acham mesmo que toda mitologia de Matrix não veio de muita fantasia dentro de um quarto escuro? Senhor dos anéis, Star Wars… os criadores eram COMPROVADAMENTE iguais a gente, eles gostavam de criar e pensar, talvez suas histórias sejam só pra você mesmo, um mundo melhor onde vc é mais especial, enfim, sei lá… mas por favor também VIVAM a realidade, é chata? É, mas é nela que vc vai construir uma pessoa, é nela que suas fantasias vão te trazer orgulho, pq aposto que todos aqui criam boas fantasias quando tem dias bons, nem que só melhore um pouco a história desde o último dia que vc deixou lá, então busquem alimentar essas fantasias com bons sentimentos e CONHECIMENTO, pelo menos elas me ajudaram a desenvolver quem eu sou, e eu gosto de quem eu sou e de quem estou me tornando.

    • Na minha opinião a gente deveria agradecer na verdade, pq ainda temos noção do que é a realidade, deve ser foda criar tudo isso e acreditar que é verdade, ISSO SIM É UM PROBLEMA, saiba o que é a realidade e TENTE melhora-la aos poucos e ao longo de muito tempo, tenha o mesmo cuidado que você tem com seus personagens, aposto que seus personagens se sentem bem com cada vitória, pq vc não faz o mesmo? todos eles já passaram por problemas certo? PASSE PELOS SEUS, tenha paciência com seu coração e a sua mente, faça as coisas no seu tempo e eu te garanto que vc vai se tornar a melhor versão de ti, independente de qual seja ela. Se quiserem conversar comigo me chama, adoraria conversar com alguém sobre, minha psicologa é ótima mas ela nao entende completamente: 011960676080

  45. Bem a todos que estao lendo este comentário, eu tb ja tive umas fantasias e criei umas personalidades bem idiotas na minha cabeça. Isso me fez mal, mas decide largar essas porcarias e viver no mundo real
    entao aprendi a técnica do dr. augusto cury de “higiene mental” a DCD e técnica de Mesa redonda do eu, pesquisem e leiam. Sei que vai muito livrar voces desde habito, alem disso leiam sobre “habitos” e como eles surgem e como muda-los, tem material e estudos bons por ai
    ah! e tem uma tecnica bem interessante chamada “elastico no pulso” que vi no canal da FEBRACIS do dr. Paulo Vieira. Pesquisem tb. espero ter ajudado

  46. Bom, percebi que todas as pessoas que comentaram, em sua maior parte consideram essas fantasias em excesso como algo prejudicial. No entanto, quando eu olho para minha vida noto o quanto a minha imaginação fértil foi capaz de me tornar quem eu sou hoje. Em vez de tentar livrar-se dessa, pq simplesmente não tirar proveito da situação? Como: escrever um livro, desenvolver roteiros (de filmes, peças entre outros), criar situações de debate (com algum tema) consigo mesmo propondo questões a serem solucionadas (um ótimo exercício para desenvolver o raciocínio), que ao serem sanadas irão lhe proporcionar um argumento interessante sobre o referido assunto que você estava discutindo introspectivamente.
    Minha conclusão é: De fato, caso não tenhamos controle de nossas próprias fantasias elas podem acabam tornando-se um incomodo podendo assim gerar problemas como déficit de atenção, mas caso você não queira abrir mão do teu prezado mundo interior, faça simplesmente que ele colabore com você. Afinal a imaginação possui um potencial imensurável, e é graças a ela que somos considerados seres racionais (a capacidade de pensar sobre o que há de vir), logo, se aquilo que nos torna tão especiais acabar sendo considerados por nós mesmos como uma espécie de “fardo”, o ser humano será fadado ao fracasso.

    • Está foi a melhor resposta que li até agora, com o mundo da imaginação eu só acabei criando sonhos
      demais kkk, mas, o maior deles é ser um roteirista e criar mundos inteiros, porque sou bombardeado
      todos os dias com muitas ideias novas e criativas! Meu gênero preferido e fantasia, então pretendo
      começar a aproveitar logo isto. Já perdi muitas ideias que são esquecidas por aí… Hoje eu ano quando
      posso!

  47. queria saber se alguém usa brinquedos pra imaginar, as vezes eu imagino situações usando brinquedo invento historias, ou situações que eu gostaria que tivessem acontecido, tenho vinte anos e tenho medo de n conseguir para com isso nunca mais

  48. Eu tenho 19 anos, faço 20 anos mês que vem. Eu comecei a criar personagens aos 7/8 anos de idade, após ser abusada sexualmente por um vizinho de condomínio. Graças a isso, desenvolvi a minha sexualidade de maneira precoce. Tive/tentei viver uma vida normal, mas eu nunca vivi minha vida de fato, de certa forma esses personagens são cartáticos para mim. Eu não me lembro de algum momento da minha vida, desde que isso começou que eu não tenha fantasiado e usado esses personagens em várias situações que acontecem em minha vida. Todos eles são diferentes de mim, tanto em aspecto físico, como social ou mental. Eles me atormentam, e não há um segundo sequer em que eu não fantasie com eles, e os gatilhos para que isso aconteça estão em todos os lugares, desde uma frase que eu escute na tv, à letra de uma música que eu estiver ouvindo no momento. Eles me acompanham da hora em que eu acordo até a hora em que eu vou dormir. De vez em quando isso me angustia porque a minha mente está sempre trabalhando, e eu simplesmente não consigo me desligar disso, embora eu queira muito. Eu dou nome à eles, família, empregos estáveis, parceiros sexuais.

    Penso em cenários eróticos, românticos, caos, drama, destruição… Em 2012 eu comecei a participar de uma comunidade de rpg no tumblr, porque achei que dessa forma eu poderia abrandar essa minha necessidade de estar sempre criando, e esse tipo de rpg exigia escrita. Comecei a escrever bastante com outras pessoas que cultuam esse hobby, usando esses personagens que eu criava e fluíam da minha mente de uma forma que até hoje ainda continua incontrolável e sem explicação, porém hoje em dia eu não tenho mais vontade de escrever tanto quanto antes, porque as ideias jorram da minha cabeça abudantemente, de uma forma que me angustia de tal maneira que eu não consigo nem abrir o editor de documentos pra tentar escrever sobre algo, é como se essas ideias fossem designadas apenas para abarrotar a minha mente, e nunca saírem de lá. Tentei desenvolver um método para organizar todos esses personagens. Criei uma planilha no google drive e comecei a organizá-los, colocando todas as informações que me vêem a mente sobre cada um deles. Atualmente, eu tenho criado várias cenas com duas de minhas personagens. A primeira eu criei em 2018, ela é uma espiã russa de 25 anos, é loura de olhos azuis, bissexual e as cenas sobre ela geralmente costumam ocorrer sempre que eu estou próxima a qualquer elemento líquido. Às vezes estou lavando louça, e do nada me vem na cabeça a ideia de reproduzir uma cena de luta entre ela e um inimigo.

    Dei um sotaque à ela, crio os diálogos em minha cabeça, e recito-os de acordo com a situação. Engatilho armas imaginárias, travo batalhas com pessoas inexistentes, corro pelo quintal alucinadamente imitando perseguições em que ela sai machucada e praticamente à beira da morte, entre outras coisas das quais me fariam passar por um belo vexame, caso fosse flagrada por alguém. A segunda é uma garota de 21 anos, eu a criei em meados de 2017, ela é de baixa estatura, olhos castanhos, pele trigueira, e tem uma voz soprano realmente doce. Ela entrou na faculdade realmente cedo e se formou em junho do ano passado. Toca contrabaixo uma banda de rock alternativo, é multiinstrumentista, e tem uma namorada com quem ela divide um apartamento. As fantasias com ela são um pouco mais complexas e eu preciso estar ouvindo música para que elas ocorram. Então eu realmente encarno a personagem, pego minha guitarra e toco como se fosse um contrabaixo. Começo a gritar para um público inexistente ou por vezes fantasio que ela briga com a namorada e começa a sair com várias pessoas com a intenção de esquecê-la.

    Em outro cenário (esse acontece com uma frequência enorme, eu sempre acabo aperfeiçoando e mudando vários detalhes), ela está segurando uma boombox, em frente à janela da casa da namorada. Baby come back de um banda chamada Player está tocando e ela ergue o boombox acima da cabeça, com a intenção de que o som chegue até o quarto da namorada. É um pedido de desculpas. Na maioria das vezes a namorada vai até ela e as duas se beijam calorosamente e voltam. Quando estou me sentindo pra baixo, ela apenas fica lá até o final da música sendo xingada pelos vizinhos por causa do barulho, enquanto a namorada a ignora e elas não se vêem mais. Todas essas fantasias me incomodam, especialmente porque tudo é gatilho para que elas fluam, até mesmo uma situação corriqueira me faz fantasiar algo intenso e arrebatador acontecendo com essas pessoas que só existem em minha mente. As coisas se distorcem, se desmontam e eu me flagro constantemente devaneando por horas. Eu só queria me livrar de tudo isso, queria que isso passasse, e eu pudesse viver uma vida normal.

  49. eu pensei que era a única e que era maluca pois quando eu ficava nesse mundo imaginário acabava por falar alto, entao foi ai que me apercebi que era um problema. porque algumas coisas que eu imaginava eu acabava fazendo sem né me aperceber. eu já tentei parar e me ocupar a mente com diversas coisa mas quando mais leio ou assisto fico inspirada para continuar e quando volta a realidade sinto um vazio.
    eu tenho lido os comentários e isso de alguma forma me ajudou pois toda vez que a minha mente quer voltar ao mundo imaginário eu me toco de é algo só da minha mente e graças aos vossos comentários tive meio que um bloqueio imaginário e já nao imagino muito mas nesse tempo que fico sem entrar no meu mundo interior eu me sinto só e sinto um grande vazio como se eu nao tivesse uma vida e entao volto para a imaginação.
    eu nao sei como mas me aperceber de que nao sou a unica me ajudou e eu sei que se continuar a me esforçar vou conseguir e nao sera só eu todos vamos, só nao sei como mas sei que juntos podemos nos ajudar e achar uma saida.
    quando mais nos conectarmos ao mundo real deixamos de lado o imaginário , vamos tentar fazer isso pois eu estou tao perdidas como todos mas nao quero continuar assim

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here