Todo aquele que foi criado sem amor, tem sempre maior dificuldade em ser ele próprio. Pode parecer estranho afirmar isto, mas a verdade é que a falta de amor na infância cria um adulto com muita dificuldade em fazer valer as suas opiniões e em sentir-se seguro de si mesmo.

Sem amor, não existe uma educação com respeito, senão através do medo. Sem respeito por si mesmo, existe apenas um adulto com a vontade de cumprir obrigações e deveres para ser aceito entre os outros e poder ter a sensação de que consegue sobreviver num mundo que lhe exige demasiado e muito pouco lhe dá.

A falta de amor faz com que se cresça com uma falta de respeito e confiança em si mesmo. Isto ditará atitudes de sobrevivência e desrespeito em demasia. Tais atitudes geram frustração, insegurança e sofrimento, porque ninguém que não se respeita consegue se sentir seguro e confiante. Uma educação sem amor é uma educação sem liberdade. Quem educa sem amor, cria adultos sem a capacidade de acreditar em si mesmos.

Muitos adquirem comportamentos agressivos e necessidade de esconder toda a sua insegurança e falta de amor-próprio. Aliás, a ânsia de poder é uma das formas mais óbvias de colmatar a falta de amor.

Existe uma diferença entre serem supridas todas as necessidades da criança e existir amor na criação. Pais que não amam a si mesmos, não conseguirão amar os seus filhos. Aquilo que sentem por eles é acima do que alguma vez sentiram por alguém, mas mesmo assim, nas alturas mais difíceis, perdura um amor egoísta, o que quer dizer que não é amor, mas uma necessidade, uma necessidade de ser amado pelos filhos e de ver realizadas as suas expectativas em relação a eles.

Não me julguem pelo que digo, mas a verdade é mesmo esta. Só podemos dar o que somos. Se não nos amarmos, não conseguiremos amar ninguém. De alguma forma, precisaremos do que nos dão e fazem sentir.

Muitos pais julgam que amar um filho é querer o melhor para ele. O problema é que muitas vezes esse melhor esconde apenas a sua própria vontade e não a escolha dos filhos.

Amar um filho é libertá-lo e permitir que ele escolha, muitas vezes, aquilo que não queremos para eles. A concepção de vida dos filhos é quase sempre diferente da dos pais. Eles têm a sua própria sensibilidade e aspiram viver coisas muito particulares, aspiram viver os seus sonhos. A contestação que possam fazer diante da resistência dos pais é muitas vezes vista por estes como personalidade rebelde, do contra, fruto de irresponsabilidade.

Leia Mais: 10 características de pais tóxicos que arruínam a vida de seus filhos sem perceber

O segredo é perguntar aos filhos o que querem, escutá-los, atendê-los, fazê-los saber que, independentemente de não concordarmos com as suas escolhas, estaremos presentes para quando precisarem de nós, enquanto pais e amigos.

Muitos pais não sabem e têm medo de ser amigos dos seus filhos. O receio de que os filhos percebam as suas supostas fraquezas fá-los assumir papéis de duros e inflexíveis, que criam distância e decepção nas crianças e adolescentes. A boa notícia é que os pais podem mudar no amor pelos seus filhos, através do respeito por si mesmos. Não é fácil, porque muitos pais justificam a si próprios diante da sua ideia de fazer o melhor que sabem.

A verdade é que esta desculpa é uma forma fácil de lavar as mãos diante dos maus resultados, ou seja, dos filhos desviarem daquilo que eles esperavam deles. À medida que os pais crescem no respeito por si mesmos, melhores pais se tornam. A ideia de que é tarde demais para mudar é uma perfeita estupidez.

Conheço pais que deixaram de sentir um amor egoísta pelos filhos e aprenderam a amá-los em liberdade e confiança. A questão é até onde os pais estão dispostos a ir pelo respeito a si mesmos e, consequentemente, aos seus filhos.

Não é fácil mudar de atitude e ver tudo de forma diferente. No entanto, é fundamental que nos respeitemos enquanto pessoas, para podermos ser melhores pais para os nossos filhos. Não há outro caminho. Não existe outra forma.

Compartilhar

José Micard Teixeira
José Micard Teixeira é um escritor e coach português nascido em 1961 na cidade de Aveiro (Portugal). É Autor de 6 livros de autoconhecimento e dá palestras e workshops sobre os mais variados temas relacionados com a natureza humana e a sua evolução. Deixou em 2002 um cargo de director geral de empresas para seguir o seu sonho de comunicar com os outros a sua verdade e ajudar as pessoas a se encontrar. Dá consultas de Coaching Pessoal e Profissional via Skype para todo o Mundo. É colunista do site Fãs da Psicanálise.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here