Acontece. Você está lá no meio do trânsito e, de repente, começa a imaginar que está de férias numa praia paradisíaca com sua família. Você está estudando e quando menos espera seu pensamento foi para outra realidade bem distante e você nem ao menos sabe por quanto tempo está ali “viajando”. Ou ainda, antes de dormir você começa a criar estórias na sua cabeça, com personagens, falas e cenário. Quem nunca?

Imaginar, sonhar acordado, inventar situações que você gostaria que acontecessem é absolutamente comum. Mais do que comum. É gostoso.

Nos sentimos roteiristas de filmes, autores de novelas, contadores de estórias… É um momento que a criatividade rola solta, que a liberdade para pensar é de fato exercida, que as amarras sociais são esquecidas. Afinal, você pode pensar o que quiser que ninguém nunca saberá se não quiser compartilhar.

Desta forma, fantasiamos com o que não temos e gostaríamos de ter, com o que não somos e gostaríamos de ser e até com situações que temos medo que aconteça – as fantasias também podem ser frustrantes, apesar de serem mais raras.

Um dos pontos positivos das pessoas que gostam de fantasiar é que esse movimento pode suprir certa lacuna da vida afetiva, social, profissional e, com isto, gerar uma motivação para alcançar os sonhos planejados.

Entretanto, existem as pessoas que parecem viver numa realidade à parte (e não estou me referindo aos portadores de transtornos mentais). São pessoas que realmente gostam de estar na companhia dos próprios pensamentos, só que o tempo todo.

Leia mais: Transformando sonhos em realidade!

A fantasia excessiva funciona como um mecanismo de defesa que proporciona uma satisfação ilusória. Por exemplo, ao entrar na puberdade é comum que os adolescentes comecem a imaginar sobre a experiência de ter um namorado, sobre como será a primeira relação sexual… Mas alguns levam as fantasias tão a sério, que se alimentam delas e se fecham para o mundo real. Começam a acreditar que elas são melhores do que encarar o futuro parceiro, pois têm o controle da estória que criam e não precisam sair da zona de conforto.

Ou seja, esses adolescentes passam a se satisfazerem apenas com as fantasias, o que dificulta a vivência dos relacionamentos reais.

O desenho “O fantástico mundo de Bob” que passava na década de 1990 fala disso. Um garoto de 4 anos de idade que fantasia sobre tudo e todos. Ele cria cenas mirabolantes na tentativa de interpretar o mundo que está conhecendo. Por sinal, é um desenho que vale a pena pela originalidade e criatividade.

Leia mais: Que tal pôr os pés no chão?

Para uma criança, as fantasias são muito saudáveis; ajudam na elaboração da vida em sociedade. Para os demais, é saudável só até certo ponto.

Se você acha que as suas constantes fantasias podem estar te atrapalhando em algum ponto, procure ajuda profissional. Nossos pensamentos são os ingredientes para criarmos nosso mundo. Que mundo você quer construir?

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Rosa Abaliac
Psicóloga e mestre em Psicologia Social. É colunista do site Fãs da Psicanálise.


1 COMENTÁRIO

  1. Gosto de fantasiar quando vou criar alguma obra de ficção, mas quando fantasio com minha própria vida muitas vezes me causa grande frustração, fantasiar com coisas q vc nunca vai fazer e ser; e pessoas q nunca vai ter começam prazerosas e terminam dolorosas. xD

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here