Em 2011, quando eu resolvi mergulhar em uma experiência maravilhosa de SINTONIA INTERIOR, eu comecei a descobrir e a me apaixonar pelo o que, na época, chamei de equilíbrio.

Lembro que em uma das práticas dessa vivência eu falei sobre a minha busca por equilíbrio, naquela época eu me sentia confusa com minha própria essência e estava em busca de uma certa paz interior.

Hoje, 5 anos depois, eu vivo, trabalho e promovo o equilíbrio na minha vida e na vida dos outros. Eu não sou uma pessoa religiosa, para desespero da minha mãe nunca consegui me adaptar as doutrinas dos grandes templos sagrados, respeito cada um deles e acredito que tudo que faz bem deve ser potencializado, mas eu nunca consegui me achar em nenhuma das religiões pelas quais passei, me considero extremamente espiritualizada e tenho o amor como guia, tenho muita fé na força maior que rege a nossa vida, peço e agradeço todos os dias a essa força por me guiar, me sinto feliz dessa forma, não me sinto em divida, já senti, hoje não mais, acredito que encontrei boa parte do que procuro e isso me traz paz.

Há mais ou menos 3 anos eu conheci o Budismo (não sou Budista) e a pouco mais de 2 anos eu sigo alguns dos ensinamento de Buda (Siddhartha Gautama – muito confundido aqui no ocidente por Hotei o Buda gordinho que simboliza riqueza e prosperidade)

Confesso que encontrei muita paz e sentido nos ensinamentos de Buda, utilizo dessa fonte para promover equilíbrio na minha rotina pessoal e profissional e assim viver melhor. Eu acredito em evolução permanente e eu busco isso no meu dia a dia, tenho a certeza que a vida está em constante mutação, e eu, fazendo parte do todo, também estou. O equilíbrio é o que me faz seguir e o que me traz sentido e felicidade. Por essa razão eu vim aqui dividir com você alguns desses ensinamentos.

Quero lembrar que o próprio budismo recusa definir a si próprio como religião. Prefere o termo “filosofia de vida”, sendo assim, se os ensinamentos e o áudio com uma maravilhosa meditação fizer sentido para você, se permita, isso não quer dizer que você está mudando de religião.

3 ensinamentos de Buda para VIVER MELHOR.
#1 – O caminho do meio:

Buda foi um príncipe que viveu no século 5 a 2600 anos atrás no norte da Índia e encontrou a iluminação após descobrir as mazelas da vida (já aos 30 anos) e passar por muitas privações em busca da descoberta dos meios que conduzem à liberação do sofrimento, chegando a consciência de que os extremos da vida deviam ser evitados, que o caminho do meio é a forma de chegar ao equilíbrio. Buda teve esse “insight” quando ouviu ao longe um professor de música dizer a um jovem aluno que tentava afinar a corda do seu instrumento: “Se apertar demais, a corda arrebenta; se deixá-la frouxa, não produzirá nenhum som”.

Leia Mais: Hoje eu sei – Monja Coen

Esse ensinamento faz muito sentido para mim. Tanto o prazer extravagante quanto a abnegação exagerada devem ser evitados, ambos os extremos provocam sofrimento. Tudo que é demais ou de menos não nos satisfaz. A curto, médio e longo prazo o caminho do meio é sempre a melhor escolha. A busca pelo caminho do meio me trouxe o equilíbrio que eu tanto busquei, vivo isso na prática e os benefícios dessa mudança de postura impactam positivamente a mim, aos meus e ao meu mundo.

Como começar a praticar o caminho do meio?

– Se observe e identifique onde está o seu comportamento em desequilíbrio, onde você está sendo ou fazendo algo no extremo?
– Pense sobre o porquê de você estar nos extremos.
– Identifique uma possível forma de mudar esse comportamento.
– Trace um caminho de como fazer isso.
– Pratique, vigie e trabalhe na melhoria continua até alcançar o resultado.

Essa “formula” acima é adaptação de um ensinamento de Buda que eu uso em tudo na minha vida, parece simples, óbvio, mas a gente não para pensar sobre isso… sempre que tiver um problema lembre-se dessa “fórmula” e faça uso dela.

#2 – Domar, transformar e conquistar a mente:

A gente passa a maior parte do nosso tempo pensando e acreditando em todo esse “emaranhado” de pensamentos que temos e sentimos.

Muitos de nós pensamos que os pensamentos e as emoções são a mente. Mas pensamentos e emoções são meramente uma aparição da mente, como o céu e as nuvens: enquanto a natureza da mente é o próprio céu, os pensamentos e as emoções são as nuvens, ser o céu é entender e perceber que as nuvens vem e vão, maiores, menores, escuras, mais claras… enquanto o céu está sempre ali, firme e sereno…

Leia Mais: Como a psicologia budista nos ajuda a enfrentar emoções difíceis

Quando estamos perdidos nas aparições da mente, não temos a menor ideia do que a essência da mente é de verdade. Por isso o ponto crucial é a direção que nossa mente toma: seja olhando pra fora, perdida em pensamentos e emoções; ou pra dentro, reconhecendo sua verdadeira natureza.

Se a gente aprende a domar, transformar e conquistar nossa mente, a ponto de não nos identificarmos com nossos pensamentos e emoções, então a gente transformará nossas próprias percepções e experiências. E como consequência as circunstâncias e as aparências externas começarão a mudar… Quando a gente muda, o mundo muda com agente.

Como começar a trabalhar a mente?

Um simples exercício de meditação pela manhã, quando bem feito, pode dar o mesmo resultado de um dia inteiro de agradável descanso, e é nesse descanso que você consegue se observar e transformar a sua mente de forma que ela te apoie no seu caminhar.

#3 – Toda mudança começa em você mesmo:

Nosso mundo exterior é reflexo do nosso mundo interior. Temos o hábito de achar que tudo ficará bem quando as circunstâncias mudarem: Quando eu ganhar mais dinheiro, quando eu casar, quando eu mudar de cidade, de emprego, de marido… A grande verdade, no entanto, é que as circunstâncias só mudarão quando essa mudança ocorrer em nosso interior.

O comportamento do outro não esta em nosso controle, as adversidades da vida que chegam até nós, de modo geral, não estão no nosso controle… mas nós e a forma como lidamos com todo o externo, isso sim está em nosso controle. Ter consciência desse poder é transformador, se você olha para dentro e se concentra naquilo que você pode controlar/mudar/melhorar, a vida muda de cor e tudo parece ter mais significado.

Se permita olhar para dentro e iniciar por VOCÊ a mudança que você deseja ver no mundo. Viva muito melhor com essa consciência.

Segundo os ensinamento de Buda, o segredo para a felicidade, para o encontro da paz e do equilíbrio tem muito a ver com ATITUDE, e eu verdadeiramente acredito nisso. Seja você a protagonista da sua história e resgate a sua força interior para VIVER MELHOR.

Você já tem aqui o conhecimento, agora é praticar e repetir 😉 você pode e você merece!

Imagem: Stephen Sandian

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Bethania Albuquerque
Coach formada pelo Instituto de Psicologia Positiva e Comportamento (IPPC). Idealizadora do Projeto Viver e Melhor. Autora do livro digital O Poder do Otimismo Diário. Life Coach com foco no Positive Coaching e no desenvolvimento pessoal, profissional e emocional da mulher. É colunista do site Fãs da Psicanálise.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here