É inteiramente possível caminhar pela sua vida dando a impressão de que tudo está bem com você quando, na verdade, internamente, você luta consigo mesmo.

Certa vez, dirigi um grupo de terapia que se reunia semanalmente para discutir as lutas e desafios da vida dos membros. Conversávamos sobre as carreiras, casamentos, filhos e relacionamentos dos membros do grupo. Durante várias semanas de reuniões, algo profundo surgiu. Todos os membros do grupo achavam que eram de algum modo defeituosos de alguma forma profunda e secreta.

Alguns se sentiam perturbados, alguns se sentiam inadequados; alguns se sentiam menos interessantes, menos inteligentes ou menos válidos do que outras pessoas. Alguns olhavam em volta e viam outras pessoas vivendo vidas ativas e engajadas e se perguntavam se essas pessoas tinham algum ingrediente essencial que lhes faltava. Todos os membros do grupo compartilharam uma questão importante:

“O que há de errado comigo?”

Uma vez que este sentimento foi identificado no grupo, tornou-se um elo comum entre os membros. Foi reconhecido como uma força tão importante nas suas vidas diárias que nós lhe demos um nome.

O defeito fatal

O defeito fatal: um sentimento profundo de que algo está errado com você. Você está perdendo algo que outras pessoas têm. Você não é como as outras pessoas, então você não se encaixa completamente em nenhum lugar.

Eu passei a próxima década vendo pacientes e ajudando pessoas a se curarem. O tempo todo, esse conceito de defeito fatal estava no fundo da minha mente. Foi anos antes de eu finalmente me tornar consciente de sua verdadeira causa.

Eu encontrei-me vislumbrando o defeito fatal em um cliente após o outro, e nomeá-los para eles nos ajudou a falar sobre isso. Mais importante, nomear e falar sobre isso nos ajudou a ver o que realmente era: não um defeito real, mas um sentimento.

Cada pessoa com o defeito fatal tinha uma experiência comum em suas vidas, e logo percebi que essa experiência comum era a causa. Todos as pessoas com o defeito fatal cresceram em famílias que ignoravam ou desencorajavam suas emoções. Todas essas pessoas isolaram seus próprios sentimentos quando criança, como uma maneira de lidar com a desvalidação emocional com a qual eles tinham crescido.

Leia Mais: Afinal, existe a pessoa certa na hora errada?

Agora, como adultos, eles viviam em uma bolha secreta criada por eles mesmos. Eles estão presos, sozinhos, dentro de suas paredes, sentindo-se separados, diferentes, menos que os outros e solitários.

Se você cresceu com negligência emocional na infância, as chances são de que sinta a presença do defeito fatal em sua vida. Se você afastou seus sentimentos quando criança, agora não tem acesso a eles como um adulto. Você sente no fundo que algo está faltando (são suas emoções). E sua vida não tem a riqueza, conexão e significado que suas emoções devem trazer para você. Esta é a causa básica do defeito fatal. A maioria das pessoas que o tem não está ciente disso, e isso dá ao defeito um poder incrível.

7 maneiras como o defeito fatal pode afetá-lo

– Você não está em contato com seus sentimentos, de modo que não confia no seu instinto (embora, na maioria das vezes, ele esteja certo).
– Ele mina a sua confiança em assumir riscos.
– Deixa você desconfortável em situações sociais.
– Mantém muitos de seus relacionamentos em um nível superficial.
– Faz você questionar o significado e o propósito de sua vida.
– Faz você temer que, se as pessoas conhecerem você bem, elas não gostarão do que veem.
– Faz você antecipar a rejeição em cada esquina.

Se não controlado, o defeito fatal tem a capacidade de ficar pairando como uma nuvem de chuva sobre a sua vida, impedindo você de correr riscos, questionando o sentido de sua vida, ou temendo que a rejeição sobrevenha.

Esses sete efeitos vão gradualmente desgastar seu contentamento e sua conexão com a vida e a felicidade. Por isso, é vital que você assuma o controle do defeito fatal.

6 passos para assumir o controle do defeito fatal

– Tornar-se consciente do seu defeito fatal tira o poder dele sobre você. Em sua própria mente, comece a chamá-lo de defeito fatal.

– Lembre-se frequentemente de que sua falha fatal não é uma falha real. É apenas um sentimento.

– Todos os sentimentos podem ser administrados. Então comece a administrar este. Preste atenção quando você o sente e como isso afeta você.

– Coloque o seu defeito fatal em palavras e conte a alguém que você confia sobre isso. Muitas vezes, como aconteceu com os membros do meu grupo, quando você compartilha seu defeito fatal com uma pessoa de confiança, isso ajuda a perceber o quão falso ele realmente é.

– Passe por cima do seu defeito fatal toda vez que puder. Faça o oposto de tudo que ele lhe diz para fazer. Se disser: “Fique quieto”, então fale. Se disser: “Você não tem nada de valor para dizer”, diga algo de qualquer maneira. Pare de ouvir esse sentimento antigo que não está ajudando em nada.

– Quebre a parede que te bloqueia de seus sentimentos. Em vez disso, trabalhe para acolher seus sentimentos como a fonte vital de informação, orientação e riqueza que eles são – mesmo os dolorosos.

– Sim, seu defeito fatal é poderoso. Mas você também é. Você tem uma grande quantidade de poder pessoal que está sendo drenado pelo seu defeito fatal.

Então hoje é o dia. Declare a guerra ao seu defeito fatal e comece a usar as armas da sua consciência, suas emoções, seu intelecto e suas palavras.

Esta é uma batalha que você pode ganhar. Eu prometo.

(Link original: psychcentral)
*Traduzido e adaptado por Marcela Jahjah, da equipe Fãs da Psicanálise

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here