Pare o que estiver fazendo por alguns segundos e leia esse texto até o final, respire fundo e imagine as seguintes situações:

1) Você está esperando uma mensagem de uma pessoa que conheceu no final de semana;
2) Fez uma entrevista para um processo seletivo na empresa dos seus sonhos e está aguardando resposta;
3) Brigou com o namorado, marido, esposa;
4) Prestará vestibular;
5) Foi demitido.

Percebe que existem muitas situações que acarretam ansiedade? Deste modo quando vivemos uma situação que excede nossos recursos psicológicos, o mais comum é que respondamos com ansiedade. Em alguns casos, para acalmar esse sentimento apreensivo, podemos recorrer à comida. No entanto, a ansiedade alimentar acabará causando grandes problemas, tanto nos níveis físico quanto emocional.

O que é alimentação emocional?

A alimentação emocional, que a maioria das pessoas chama de comer por causa da ansiedade ou estresse, embora também possa ser desencadeada por outros estados emocionais, como tristeza e depressão, envolve o alimento como uma maneira para se sentir melhor. Isso significa que não sentimos fome física, mas sim que comemos para satisfazer as necessidades emocionais.

De fato, apesar de nem sempre percebermos isso, nós caímos na alimentação emocional quando tivemos um dia estressante, quando estamos entediados ou nos sentimos deprimidos e decidimos comer uma pizza ou um sorvete. Esses pequenos caprichos são abrigos para os quais nos voltamos quando precisamos de algum conforto emocional.

É claro que recompensar-se de vez em quando com a comida ou procurar algum alívio não é necessariamente negativo. O problema surge quando se torna o mecanismo principal de enfrentamento emocional, quando nosso primeiro impulso ao se sentir estressado, entediado, frustrado ou triste é ir à cozinha. Então, caímos em um ciclo insalubre em que não abordamos o problema emocional que está na base.

A fome emocional não pode ser satisfeita com comida. Comer pode nos fazer sentir bem momentaneamente, mas os sentimentos ainda estão ali, e o que é ainda pior, será adicionado à culpa pelas calorias desnecessárias que acabamos de consumir.

Como diferenciar a fome emocional da fome física?

A fome emocional pode ser muito intensa, por isso é fácil confundi-la com a fome física. Mas há alguns sinais que podem nos dizer que somos tentados a comer de ansiedade, estresse ou depressão.

Leia Mais: A fome enquanto fuga

– A fome emocional é ativada de repente. Ela nos atinge em um instante e nós a percebemos como uma necessidade avassaladora e urgente. A fome física, pelo contrário, ocorre mais gradualmente à medida que nosso corpo consome seus recursos, de modo que o desejo de comer não é sentido tão intensamente. A menos que não tenhamos comido por muito tempo.

– A fome emocional anseia por alimentos específicos que geram conforto. Quando estamos fisicamente com fome, praticamente qualquer alimento pode satisfazer nossa necessidade. No entanto, a fome emocional nos faz desejar alimentos ricos em açúcar e gordura, já que são os ingredientes que mais recompensam o cérebro. Portanto, quando precisamos comer por causa da ansiedade, queremos alimentos muito específicos.

– A fome emocional leva à alimentação automática. Antes de sabermos, teremos comido um pacote inteiro de batatas fritas ou uma tigela de sorvete. A fome emocional nos faz comer de forma automática e não nos sentirmos saciados, enquanto a fome física nos permite estar mais conscientes da comida e dos sinais de saciedade.

– A fome emocional não está satisfeita. Ao comer fora da ansiedade, não há sinal físico tão óbvio de saciedade, continuaremos a comer, muitas vezes até nos sentirmos mal. Pelo contrário, a fome física é saciada.

A fome emocional não se rompe no estômago. Quando estamos fisicamente com fome, muitas vezes sentimos isso em nossos estômagos. No caso da fome emocional, o sinal vem da mente, geralmente na forma de fantasias com as texturas, cheiros e sabores de certos alimentos.

– A fome emocional geralmente leva ao arrependimento, culpa ou vergonha. Quando nos sentimos culpados depois de comer, é provavelmente porque estamos tentando satisfazer as necessidades emocionais e, no fundo, sabemos disso.

Como parar de comer por ansiedade?

1. Identifique os gatilhos emocionais.
Os gatilhos emocionais são todas aquelas situações ou estados que despertam o desejo de comer. O estresse é um dos mais comuns, no entanto, o tédio e a solidão, o sentimento de vazio interior e a insatisfação com a vida também podem atuar como desencadeadores da fome emocional.

2. Procure alternativas de recompensa
É provável que em sua mente você tenha associado certos alimentos com as recompensas. É importante mudar essa associação e buscar recompensas mais saudáveis que não acabem gerando o sentimento de culpa.

3. Aprenda a gerenciar seus sentimentos
É essencial que você não assuma essas emoções desagradáveis como negativas, mas apenas como sinais de que você precisa mudar algo em sua vida. Você deve encontrar outras formas mais assertivas e saudáveis de canalizar essas emoções.

4. Procure ajuda
Em alguns casos, quando a fome emocional se estabelece como padrão é difícil se livrar desse hábito. De fato, alimentos ricos em gordura, sal e açúcar podem gerar um vício. Nesses casos, é necessário recorrer à ajuda da psicoterapia que pode descobrir a causa que está na base desse distúrbio alimentar e fornecer padrões comportamentais mais específicos.

Fontes:
-Brantley, J. (2007) Acalmar sua mente ansiosa: como a atenção e a compaixão podem se livrar da ansiedade, do medo e do pânico. Oakland: New Harbinger. -Masheb, R.M. & Grilo, C.M. (2006) Comer em excesso emocional e suas associações com a psicopatologia do transtorno alimentar em pacientes com excesso de peso com transtorno da compulsão alimentar periódica. International Journal of Eating Disorders; 39: 141-146.
-Telch, C.F. & Stice, E. (1998) Comorbidade psiquiátrica em mulheres com transtorno da compulsão alimentar periódica: taxas de prevalência de uma amostra sem tratamento. Revista de Consultoria e Psicologia Clínica; 66: 768-776.
-Kenardy, J. Arnow, B. & Agras, W.S. (1996) A aversividade de estados emocionais específicos associados com compulsão alimentar em indivíduos obesos. Jornal Australiano e Nova Zelândia de Psiquiatria; 30: 839-844.
-Heatherton, T.F. e Baumeister, R.F. (1991) Binge eating como fuga da autoconsciência. Boletim Psicológico; 110: 86-108.

(Fonte: rinconpsicologia)

*Traduzido e adaptado pela equipe Fãs da Psicanálise.

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here