Não falamos muito sobre depressão pós-parto em homens, mas os efeitos podem ser devastadores.

Eu sofri de depressão pós-parto nos primeiros anos da vida do meu filho e enquanto eu estava presente fisicamente, mentalmente e emocionalmente eu estava distante, gritando por socorro.

Como um novo pai, você diz a si mesmo: “Meu corpo não mudou durante a gravidez, eu não passei pelo parto. Meu corpo não precisou passar meses se recuperando ou lidar com as alterações hormonais associadas. Então, o que eu faço? Porque estou reclamando?”, é isso o que você diz a si mesmo para parar de reclamar e continuar com sua vida.

“Man Up”*

As crenças abundantes em nossa cultura são de que os homens devem “ser homens”, que devem apenas lidar com as coisas materiais, mas essa abordagem pode ser prejudicial à sua saúde. Como consequência dessa abordagem, há informações limitadas online sobre os homens que sofrem de depressão pós-parto. A maioria das pessoas nem sabe que existe. A doença faz com que você se sinta isolado, e essa falta de suporte online apenas confirma essa sensação.

Quando nosso filho nasceu, morávamos a cinco mil e quinhentos quilômetros de nossa família e eu tinha poucos amigos com filhos. Eu não gostei de quão pouco apoio eu tinha e, quando alguém me perguntou como eu estava, eu dizia “tudo bem” e mudava de assunto.

Perguntas difíceis!

Eu ia a todas as consultas médicas do nosso filho e, em cada uma delas, minha esposa recebia um questionário de saúde mental para verificar sinais de depressão. Eu costumava preencher isso para ela se ela estivesse segurando nosso filho, fazendo as perguntas e preenchendo sua resposta.

“Problemas para se concentrar? Pouco prazer em fazer as coisas? Inquieto? Sentindo que você está deixando você ou sua família para baixo? “Para cada uma ela respondeu” Não, não, não, não”. Na minha cabeça, minha resposta foi “Sim, sim, sim, sim”. Mas ninguém nunca me fez essas perguntas, e eu não achei que poderia estar deprimido pois não fui eu quem deu à luz.

Pesquisas sugerem que os fatores ambientais que cercam a criação de um novo pai, podem desencadear depressão clínica. Estudos adicionais estimam que entre 4-25% dos novos pais desenvolvem depressão, chegando a 50% se o parceiro também sofrer de depressão. O intervalo estimado é tão grande porque, como observa o estudo, a depressão pós-parto paterna só foi estudada por um pequeno número de pesquisadores.

Leia Mais: 11 Coisas para lembrar se você ama uma pessoa que tem depressão

Mais três meses.

Eu esperava que os primeiros três meses fossem os mais difíceis e, por essa época, um amigo me disse que depois de seis meses como pai eu acharia que as coisas começariam a se estabilizar. Eu pensei comigo mesmo: “Tudo bem. Eu posso fazer mais três meses disso”. Acontece que eu não pude.

Comportamentos comuns em homens que sofrem de depressão incluem um foco maior no trabalho, risco, abuso de substâncias e eu, em maior ou menor grau, deslizei para eles. Aquele “outro horizonte de três meses” continuava se afastando ainda mais. No momento em que procurei ajuda, 18 meses depois, eu estava bebendo muito para me auto-medicar e tinha praticamente descartado os próximos 10 anos da minha vida.

Meu filho estava crescendo e, ao perceber os sintomas da minha condição, eu não queria que ele pensasse que nada disso era culpa dele. Então eu falei com meu médico. Eu procurei ajuda.

Através do espelho.

E aqui está o que eu não esperava: conseguir ajuda para trabalhar.

Isso provavelmente parece óbvio – na época, era tudo, menos isso. A depressão coloca uma lente distorcida em sua visão da realidade. Como você está experimentando o mundo, não é uma representação precisa de como o mundo é. Mas você não tem como ver pelas bordas da lente para comparar. As pessoas dizem que você está pensando de forma errada, mas é como se alguém estivesse lhe dizendo que o verde é azul. Você não tem como reconciliar sua visão do mundo com a sua.

Havia muitas espirais negativas que eu iria me apegar antes de procurar tratamento. Individualmente eu podia lidar com eles, mas cumulativamente eles eram um buraco negro implacável. Durante a terapia, aprendi a abordá-los, um de cada vez e a girar para baixo. Agora, em remissão, uso as mesmas técnicas para lidar com esses casos de negatividade à medida que ocorrem.

Através de terapia e medicação minha condição foi trazida sob controle. Levou seis meses para minha depressão entrar em remissão completa. Comecei a recuperar minha vida. Finalmente pude começar a desenvolver um relacionamento com meu filho.

Se você é um pai novo lendo isso e está com dificuldades, espero que saiba que as coisas podem melhorar se você pedir ajuda. Se você conhece alguém que é um novo pai, talvez possa entrar em contato e perguntar se ele está bem. Porque ele pode estar lutando para chegar a ser como você.

*Nota da tradutora: A expressão “man up” é uma combinação de palavras bem informal na cultura americana, e é usada para encorajar alguém a deixar os medos, a ansiedade, a tristeza ou outro sentimento de lado, e focar no que precisa ser feito, seja resolver um problema, assumir uma responsabilidade, um compromisso, ou enfrentar uma situação difícil. Geralmente, ela expressa um sentimento de dever a cumprir, de assumir uma postura de coragem, apesar da insegurança. Pode ser entendida como “amadurecer”, “virar homem”, “assumir”

(Autor: Stuart Fitzwilliam)
(Fonte Original: thriveglobal)
*Texto traduzido e adaptado por Carolina Marucci, da equipe Fãs da Psicanálise.

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here