Quando alguém não tem respeito, não lhe trata bem ou te decepciona, é fácil levar esse comportamento ao nível pessoal. É provável que você se culpe pelo que aconteceu ou pense que essa pessoa tinha algo contra você.

No entanto, levar as coisas para o lado pessoal é emocionalmente desgastante e envolve um trabalho cognitivo duro completamente desnecessário, que acabará prejudicando sua autoestima.

Há uma enorme diferença entre ser atencioso e levar as coisas de maneira tão pessoal que acabará prejudicando seu equilíbrio psicológico. Se você aprender a não tornar nada pessoal, terá mais controle sobre suas reações e emoções, não permitirá que elas dependam do comportamento dos outros. Sem dúvida, é uma grande conquista em seu caminho de crescimento pessoal que lhe trará uma enorme paz interior.

O que significa não levar as coisas pro lado pessoal?

Trazer as coisas para o nível pessoal é uma distorção cognitiva bastante comum chamada personalização. A personalização implica envolver-se demais em situações, ver a nós mesmos como o umbigo do mundo, e pensar que absolutamente tudo gira em torno de nós.

O problema é que esse modo de pensar e enfrentar a realidade pode nos tornar muito infelizes, gerando um estado de desconforto permanente e de grande sofrimento mental. É provável que acabemos experimentando emoções como ansiedade, raiva ou culpa. E isso não é bom.

Não é menos verdade que é muito difícil não levar críticas, comentários ofensivos ou humilhações pro pessoal. Os comportamentos, palavras e atitudes dos outros nos afetam, não podemos evitar. No entanto, podemos aprender a administrar essas primeiras reações adotando uma distância psicológica da situação, para evitar que ela nos prejudique ou nos insira em um círculo vicioso de pensamentos negativos recorrentes.

Os tipos mais perigosos de personalização e como evitá-los

1. Assuma as decepções e batalhas de uma maneira pessoal

Todos nós sentimos desapontamento e temos que enfrentar diferentes batalhas na vida. No entanto, quando personalizamos, tendemos a perceber esses eventos, que em muitos casos são inevitáveis, como resultado de nosso fracasso ou como confirmação de que o universo conspira contra nós. Se negarmos a ascensão, por exemplo, podemos pensar que o patrão não nos aprecia, mas na verdade pode ser devido a um milhar de outras razões.

Quando tomamos as coisas a um nível pessoal, em vez de considerar todas as opções possíveis, nós simplesmente avaliamos essas alternativas diretamente ligadas a nós, provavelmente, chegaremos a conclusões errôneas que então determinam nosso comportamento e se tornam uma profecia autor realizável.

Como parar de tomar essas coisas como pessoal?

– Aumente a consciência sobre sua tendência de levar as coisas para o lado pessoal, especialmente quando as situações estão além do seu controle ou não ocorrem como você pretendia. Torne-se consciente de como você reage a situações que geram desapontamento e frustração. Você chega imediatamente à conclusão de que a culpa é sua ou acha que o universo inteiro está contra você? Reconhecer a tendência de levar as coisas pro lado pessoal é o primeiro passo para mudar esse padrão de pensamento. Somente quando você reconhece a personalização você pode se perguntar se sua resposta é racional e procurar explicações alternativas.

A certa altura, você chegará à conclusão de que as decepções fazem parte da vida, nem sempre conseguimos o que queremos, porque muitas vezes essas coisas não dependem exclusivamente de nós. Trata-se de entender que às vezes a vida é difícil, mas tudo é ainda mais difícil quando você pega os obstáculos da estrada de uma maneira pessoal. Na verdade, todos nós temos que passar por esses buracos, e não é nada pessoal. O universo não conspira contra você. Você conspira contra você quando o leva tudo como pessoal.

– Reconheça que você nem sempre sabe as razões por trás do comportamento dos outros. Quando alguém o decepciona, em vez de levar para o lado pessoal, tente adivinhar as razões para esse comportamento, simplesmente presuma que nem sempre é possível saber porque as pessoas se comportam de uma determinada maneira. O mundo não gira em torno de você. Existem milhares de outras variáveis que podem estar determinando o comportamento dessa pessoa.

Em muitos casos, críticas, insultos ou até mesmo humilhações dizem mais sobre essa pessoa do que sobre você. Na verdade, em alguns casos, a magnitude e intensidade de tal comportamento são proporcionais ao que você tem feito ou não, mas dependem do estado anterior da mente dessa pessoa, das expectativas que ela tinha e mil outros fatores além do seu controle.

2. Assuma a felicidade, decepções e batalhas de outras pessoas de uma maneira pessoal
Esta é a segunda forma que leva a personalização que você pode estar colocando isso em prática. Você acredita que você é responsável pelos outros, pelos seus comportamentos e até mesmo seus sentimentos. Você acredita que a felicidade – ou a infelicidade – dos outros depende de você, de modo que você torna suas batalhas como pessoais e carrega todas as falhas como se fossem suas.

Este mecanismo de personalização não apenas te magoa, já que você se força a carregar um fardo pesado que não corresponde a você, mas também prejudica a outra pessoa porque, ao assumir suas responsabilidades, você impede que ela amadureça e se encarregue dela mesma e de sua própria felicidade.

Como parar de tomar essas coisas como pessoal?

– Questione a validade de suas crenças. Até que ponto você é realmente responsável pelos sucessos ou felicidade dos outros? É óbvio que quando se trata de pessoas próximas a você, seu comportamento influenciará seu bem-estar, mas você não deve esquecer que, em última análise, essas pessoas devem tomar suas próprias decisões, então sua influência deve ser bastante limitada.

Você não pode controlar suas vidas ou tomar decisões em seus lugares, não seria justo, então seu nível de controle é limitado. E isso leva você a uma conclusão: você não é responsável por seus sucessos ou fracassos, portanto você não deve levá-los como pessoais. Você pode estar disposto a ajudar, mas você ainda não pode impedir essas pessoas de tentarem os dois lados da vida. Isso acontece com todos.

Superar essa segunda forma de personalização pode ser um enorme desafio para muitas pessoas, especialmente quando elas assumem que são responsáveis pela felicidade de seus filhos, parceiros ou outras pessoas próximas. No entanto, deixar de se sentir responsável pela vida dos outros não é apenas libertador, mas provavelmente também melhora o relacionamento com essas pessoas. De uma forma ou de outra, se você não tornar nada pessoal, você também será mais livre, você vai recuperar o controle da sua vida emocional e você pode tomar melhores decisões de uma perspectiva mais imparcial e objetiva. É uma mudança que vale a pena 🙂

(Autora: Jennifer Delgado Suárez)
(Fonte Original: rinconpsicologia)
*Texto traduzido e adaptado por Carolina Marucci da equipe Fãs da Psicanálise.

*Texto escrito com exclusividade para o site Fãs da Psicanálise. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Compartilhar

RECOMENDAMOS



Fãs da Psicanálise
A busca da homeostase através da psicanálise e suas respostas através do amor ao próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here